×

Nous utilisons des cookies pour rendre LingQ meilleur. En visitant le site vous acceptez nos Politique des cookies.


image

Porta Dos Fundos 2020, PROFECIA

Que isso?

Não.

Não! Que isso? O que está acontecendo?

Que isso?

-Ai, que pesadelo... -O que houve, meu anjo?

O que é isso? Sonhou o quê?

Eu sonhei que você terminava comigo, amor.

Ah, meu anjo!

-Que coisa horrorosa! -Isso é seu pesadelo?

Nossa, o pior de todos.

Você batia a porta e me xingava.

Ah, meu anjo, é sonho.

-Caraca! -Vamos dormir.

Coisa horrível.

Amanda, você quer me falar alguma coisa?

Meu amor, são 4h35 da manhã, tá?

Me vem com suas paranoias só depois das 8h.

Tá certo. Por isso que eu tenho esses pesadelos.

-Por isso o quê, amor? -Não, tudo bem.

Você lembra quando eu sonhei que meu avô morreu, né?

Sim, meu amor.

Um dia depois de ele ser atropelado.

Tá, mas ele não morreu?

-Com 97 anos. -Tá, mas morreu, amor.

Morreu!

Você lembra que eu sonhei que ia ser demitido da empresa, meu amor?

Meu amor, você estava desviando o dinheiro da empresa.

Caraca, mas eu não fui demitido? É isso que eu estou te falando!

-Não fui demitido? -Por justa causa.

É, mas é estranhíssimo. Eu sonhei, caramba!

Sonhei que estava com diarreia.

O que aconteceu nessa semana, Amanda?

Mas é esse negócio de você ficar pedindo água da casa

em tudo que é restaurante que a gente vai.

Mas acontece, amor. E agora esse sonho do nada.

Mas é assim, Humberto. Um sonho é do nada.

Todo sonho é assim.

Você está diferente comigo, hein.

Você está grossa, você mudou.

Você quer terminar comigo, Amanda?

Não, eu não quero! Eu quero dormir!

Porra, foi convincente agora!

"Eu quero dormir, eu não quero terminar com você.

Relaxa, vai, me deixa dormir."

Super convincente, estou mais tranquilo agora.

É sempre assim.

Sou tratado igual a um lixo.

E eu, bobo, ainda fico com peso na consciência

porque eu comi a Michelle.

É o quê? O que você falou?

Ah, agora tem alguém atento aí, né.

O que é que você falou? Michelle?

Agora tem alguém prestando atenção em mim.

-Que Michelle? -A Michelle tua prima, porra!

O que você está falando, Beto?

E tu acha que tua prima vai ficar andando por aqui,

o tempo inteiro pela casa,

trocando de roupa em tudo quanto é lugar,

e eu não vou meter-lhe a pica?

-Eu comi Michelle! -O que você está falando, Beto?

Estou falando que eu meti-lhe o piru,

não tem frescurinha. Quer cu? Toma-lhe cu.

Não tem essas palhaças de "Ah, estou com dor de cabeça",

"Ah, estou menstruada", "Hoje não é um dia bom,

minha mãe está na UTI."

Toma-lhe piroca o tempo inteiro.

Eu como-lhe Michelle pra caralho!

É com camisinha, é sem camisinha. É a porra toda!

Lisinha, gostosinha.

Não tem aquela porra daqueles caroços

-de gilete na virilha, não. -Ah, é?

Ela tem noivo, né? Rodolfo.

Vou contar pra ele pra ver o que ele vai fazer com você.

-Pra Rodolfo? -É, tá?

A brincadeira começa com Rodolfo.

-Como é que é isso? É trisal? -É trisal pra caralho!

É bucetal, pirucal...

Porra, aqui é pica entrando no cu e na buceta ao mesmo tempo.

É piroca elevador, porra! Acabou o cu, desce pra buceta.

Ô, pica que sobe, pica que desce.

Porco! Nojento! Imundo!

-Podre! Acabou! -Pirucada pra caralho, amor!

Caralho!

Idêntico ao sonho.

Eu sou vidente, hein.

Qual é, Rodolfo!

E aí, meu irmão? Beleza?

Olha, se liga num sonho que eu tive ontem, irmão.

Muito doido! Eu te ligava pra gente fazer uma putaria, né.

Eu falava assim: "Aí, Rodolfo, vou chamar Marquinhos, Sidcley,

Orlando, Thiaguinho, vai vir todo mundo da academia."

Aí tu: "Demorou! Onde que é a putaria?"

Eu falava: "Lá em casa". Aí tu: "Porra, tamo junto."

Aí começava a maior putaria, meu irmão,

aí tu falava: "Ué, mas cadê as mulheres?"

Eu falava: "Que mulher? Hoje é dia de pau, bebê!"

Aí tu desligava o telefone putão! É mole, Rodolfo?

Rodolfo?

Tu ouviu? Rodolfo?

Rodolfo?


Que isso?

Não.

Não! Que isso? O que está acontecendo?

Que isso?

-Ai, que pesadelo... -O que houve, meu anjo?

O que é isso? Sonhou o quê?

Eu sonhei que você terminava comigo, amor.

Ah, meu anjo!

-Que coisa horrorosa! -Isso é seu pesadelo?

Nossa, o pior de todos.

Você batia a porta e me xingava.

Ah, meu anjo, é sonho.

-Caraca! -Vamos dormir.

Coisa horrível.

Amanda, você quer me falar alguma coisa?

Meu amor, são 4h35 da manhã, tá?

Me vem com suas paranoias só depois das 8h.

Tá certo. Por isso que eu tenho esses pesadelos.

-Por isso o quê, amor? -Não, tudo bem.

Você lembra quando eu sonhei que meu avô morreu, né?

Sim, meu amor.

Um dia depois de ele ser atropelado.

Tá, mas ele não morreu?

-Com 97 anos. -Tá, mas morreu, amor.

Morreu!

Você lembra que eu sonhei que ia ser demitido da empresa, meu amor?

Meu amor, você estava desviando o dinheiro da empresa.

Caraca, mas eu não fui demitido? É isso que eu estou te falando!

-Não fui demitido? -Por justa causa.

É, mas é estranhíssimo. Eu sonhei, caramba!

Sonhei que estava com diarreia.

O que aconteceu nessa semana, Amanda?

Mas é esse negócio de você ficar pedindo água da casa

em tudo que é restaurante que a gente vai.

Mas acontece, amor. E agora esse sonho do nada.

Mas é assim, Humberto. Um sonho é do nada.

Todo sonho é assim.

Você está diferente comigo, hein.

Você está grossa, você mudou.

Você quer terminar comigo, Amanda?

Não, eu não quero! Eu quero dormir!

Porra, foi convincente agora!

"Eu quero dormir, eu não quero terminar com você.

Relaxa, vai, me deixa dormir."

Super convincente, estou mais tranquilo agora.

É sempre assim.

Sou tratado igual a um lixo.

E eu, bobo, ainda fico com peso na consciência

porque eu comi a Michelle.

É o quê? O que você falou?

Ah, agora tem alguém atento aí, né.

O que é que você falou? Michelle?

Agora tem alguém prestando atenção em mim.

-Que Michelle? -A Michelle tua prima, porra!

O que você está falando, Beto?

E tu acha que tua prima vai ficar andando por aqui,

o tempo inteiro pela casa,

trocando de roupa em tudo quanto é lugar,

e eu não vou meter-lhe a pica?

-Eu comi Michelle! -O que você está falando, Beto?

Estou falando que eu meti-lhe o piru,

não tem frescurinha. Quer cu? Toma-lhe cu.

Não tem essas palhaças de "Ah, estou com dor de cabeça",

"Ah, estou menstruada", "Hoje não é um dia bom,

minha mãe está na UTI."

Toma-lhe piroca o tempo inteiro.

Eu como-lhe Michelle pra caralho!

É com camisinha, é sem camisinha. É a porra toda!

Lisinha, gostosinha.

Não tem aquela porra daqueles caroços

-de gilete na virilha, não. -Ah, é?

Ela tem noivo, né? Rodolfo.

Vou contar pra ele pra ver o que ele vai fazer com você.

-Pra Rodolfo? -É, tá?

A brincadeira começa com Rodolfo.

-Como é que é isso? É trisal? -É trisal pra caralho!

É bucetal, pirucal...

Porra, aqui é pica entrando no cu e na buceta ao mesmo tempo.

É piroca elevador, porra! Acabou o cu, desce pra buceta.

Ô, pica que sobe, pica que desce.

Porco! Nojento! Imundo!

-Podre! Acabou! -Pirucada pra caralho, amor!

Caralho!

Idêntico ao sonho.

Eu sou vidente, hein.

Qual é, Rodolfo!

E aí, meu irmão? Beleza?

Olha, se liga num sonho que eu tive ontem, irmão.

Muito doido! Eu te ligava pra gente fazer uma putaria, né.

Eu falava assim: "Aí, Rodolfo, vou chamar Marquinhos, Sidcley,

Orlando, Thiaguinho, vai vir todo mundo da academia."

Aí tu: "Demorou! Onde que é a putaria?"

Eu falava: "Lá em casa". Aí tu: "Porra, tamo junto."

Aí começava a maior putaria, meu irmão,

aí tu falava: "Ué, mas cadê as mulheres?"

Eu falava: "Que mulher? Hoje é dia de pau, bebê!"

Aí tu desligava o telefone putão! É mole, Rodolfo?

Rodolfo?

Tu ouviu? Rodolfo?

Rodolfo?