×

Мы используем cookie-файлы, чтобы сделать работу LingQ лучше. Находясь на нашем сайте, вы соглашаетесь на наши правила обработки файлов «cookie».


image

Escriba Cafe Podcast, Natalis

Natalis

As ruas de Roma estavam repletas de gente. Música, bebida, comida, sexo e brincadeiras estavam por todas as partes.

Era a Saturnália, um festival em homenagem ao deus Saturno, que, por vários dias no inverno deixava a cidade em festa e tudo de ponta cabeça: nenhuma prisão era feita, escravos trocavam de papéis com seus donos, vestindo suas roupas e sentando na ponta das mesas, camponeses comandavam a cidade e escolas e comércio não funcionavam para que todos pudessem participar.

Foi assim que se originou o carnaval? Não. Essa é uma das origens do Natal. Ho ho ho.

O inverno europeu

Na antigüidade, o inverno, em grande parte da Europa, era rígido. Nos últimos dias de dezembro, onde o inverno atingia seu ápice no solstício, o trabalho no campo cessava. Tudo o que havia para ser colhido já havia sido feito, boa parte dos animais já haviam sido abatidos e não precisavam ser alimentados e as pessoas assim tinham tempo para festejar e se dedicar aos seus deuses.

Na Alemanha, acreditava-se que o deus pagão Oden, nessa época, voava durante a noite observando as pessoas e assim decidia quem iria prosperar e quem iria perecer, fazendo com que muitos preferissem ficar dentro de suas casas.

Mas em Roma

Em Roma o inverno não era tão intenso como nos países mais ao norte, e assim o clima permitia que festividades como a Saturnália acontecessem.

Saturno era o deus da agricultura dos romanos, e a Saturnália, que o celebrava, também acontecia nos últimos dias de dezembro. Para muitos, era considerada a melhor época do ano e, vários registros mostram que a Saturnália, com bêbados cantando, copulando e correndo pelados pelas ruas era a festa mais alegre de todas.

Nessa mesma época, acontecia também a celebração ao deus Mithra, chamada dies natalis solis invicti, que significa Nascimento do Sol Invicto. E para muitos romanos, era o dia mais sagrado do ano. A celebração era menos agitada que a Saturnalia, porém, acabou se misturando com o passar dos séculos e se tornando tão festiva quanto.

A seita cristã

Nos primeiros séculos do calendário gregoriano, uma nova seita passou a ganhar força em Roma, tratava-se dos cristãos, monoteístas, porém seguidores de uma trindade, onde, Jesus Cristo era o deus na Terra.

Após o Imperador Constantino se converter à nova seita, ela passou, gradativamente a se tornar a religião dominante do Império Romano.

Por muito tempo o cristianismo e a religião antiga coexistiram em Roma. E a Saturnália continuava a ser festejada, até mesmo por cristãos, afinal, fazia parte da tradição de Roma.

A páscoa era a principal celebração cristã. O nascimento de Jesus não era celebrado e, aliás, nem mesmo se sabia o dia de seu nascimento. Porém, o Papa Julius I definiu a data do nascimento para o dia 25 de dezembro. Dessa forma, a igreja teria mais facilidade na aceitação do natal pelos pagãos. No entanto, acabar com a Saturnália era impensável, e desistiram também de ditar como o natal deveria ser celebrado. E assim, misturando-se a Saturnália e as celebrações do deus Mithra, o carnavalesco natal cristão é celebrado por vários séculos, cada parte da Europa com suas tradições.

O fim do natal

Justamente por ter raízes pagãs, o natal não era bem visto por puritanos e ortodoxos, que quando tomaram o poder na Inglaterra, no século XVII, cancelaram as festividades natalinas para recuperar a decência britânica.

Quando Carlos II recuperou o trono, ele reestabeleceu a celebração do natal, porém, os peregrinos separatistas britânicos que partiram para a América em 1620, fizeram com que o natal fosse mal visto até o final do século, quando após a Revolução Americana, os costumes britânicos caíram, incluindo o natal, que só veio a ser considerado um feriado nacional em 1870.

Os americanos então reinventaram o natal, o transformando numa festividade familiar e caseira.

Santa Claus

Surgia também no século XIX a figura do Papai Noel. Apesar de tradições antigas já contarem com a presença de entidades nas crenças, o Papai-Noel como o conhecemos hoje também é uma invenção americana baseada em uma lenda Européia.

São Nicolau foi um monge nascido por volta do ano 280. Ficou conhecido por sua bondade e generosidade. Uma das lendas conta que ele doou toda sua riqueza e passou a viajar ajudando os pobres e doentes. Na época do renascimento, São Nicolau era um dos santos mais populares na Europa, e o dia de sua morte, 6 de dezembro, era o dia de celebrá-lo, principalmente na Holanda.

E foi assim que foi noticiado em um jornal de Nova York no século XVIII o fato de famílias holandesas celebrarem São Nicolau em dezembro, ou Sinter Klaas, como era conhecido em holandês, que foi logo adaptado para Santa Claus. O mesmo monge deu origem também ao Pai Natal e outros personagens do natal na Europa.

Porém não havia uma imagem definida de Papai Noel. Com o passar dos anos, desenhos e descrições dele tinham os mais diferentes aspectos, seja na vestimenta ou na aparência física.

Foi só no século XIX, quando o natal foi abraçado pelo comércio e a tradição de fazer compras para presentear os parentes e amigos ganhou força, que um modelo universal de Papai Noel foi se formando. Um velhinho de barba branca e roupas vermelhas passou a ser mais usado, e ganhou grande popularidade ao ser adotado pela Coca-Cola numa de suas propagandas.

O natal de hoje

O natal hoje é praticamente um evento comercial. Compre! Junto com o sucesso do natal veio o dia dos pais, das mães, das crianças, enfim, o ponto fraco das famílias para que se sintam obrigadas a comprar, comprar, comprar.

Do que era uma festividade alegre, carnavalesca e lúdica não restou muita coisa, sendo hoje uma grande mistura de influências de várias religiões, crenças, culturas e costumes milenares.

Porém, muito mais do que religião, o natal é, nos dias de hoje a única forma de reunir a família para celebrar, confraternizar, brigar, comer e presentear.

Que saudade de Roma, Ho Ho Ho…

Natalis Natalis Natalis Natalis Natalis ナタリス

As ruas de Roma estavam repletas de gente. Música, bebida, comida, sexo e brincadeiras estavam por todas as partes. Music, drink, food, sex and games were everywhere.

Era a Saturnália, um festival em homenagem ao deus Saturno, que, por vários dias no inverno deixava a cidade em festa e tudo de ponta cabeça: nenhuma prisão era feita, escravos trocavam de papéis com seus donos, vestindo suas roupas e sentando na ponta das mesas, camponeses comandavam a cidade e escolas e comércio não funcionavam para que todos pudessem participar. It was Saturnália, a festival in honor of the god Saturn, who, for several days in winter, left the city partying and everything upside down: no arrests were made, slaves exchanged roles with their owners, putting on their clothes and sitting on the edge. from the tables, peasants ruled the city and schools and commerce did not function so that everyone could participate.

Foi assim que se originou o carnaval? Não. Essa é uma das origens do Natal. Ho ho ho.

O inverno europeu

Na antigüidade, o inverno, em grande parte da Europa, era rígido. In ancient times, winter in much of Europe was harsh. Nos últimos dias de dezembro, onde o inverno atingia seu ápice no solstício, o trabalho no campo cessava. In the last days of December, when winter was at its height at the solstice, work in the fields ceased. Tudo o que havia para ser colhido já havia sido feito, boa parte dos animais já haviam sido abatidos e não precisavam ser alimentados e as pessoas assim tinham tempo para festejar e se dedicar aos seus deuses.

Na Alemanha, acreditava-se que o deus pagão Oden, nessa época, voava durante a noite observando as pessoas e assim decidia quem iria prosperar e quem iria perecer, fazendo com que muitos preferissem ficar dentro de suas casas.

Mas em Roma

Em Roma o inverno não era tão intenso como nos países mais ao norte, e assim o clima permitia que festividades como a Saturnália acontecessem.

Saturno era o deus da agricultura dos romanos, e a Saturnália, que o celebrava, também acontecia nos últimos dias de dezembro. Para muitos, era considerada a melhor época do ano e, vários registros mostram que a Saturnália, com bêbados cantando, copulando e correndo pelados pelas ruas era a festa mais alegre de todas.

Nessa mesma época, acontecia também a celebração ao deus Mithra, chamada dies natalis solis invicti, que significa Nascimento do Sol Invicto. Al mismo tiempo, también se celebraba la fiesta del dios Mitra, llamada dies natalis solis invicti, que significa Nacimiento del Sol Invicto. E para muitos romanos, era o dia mais sagrado do ano. A celebração era menos agitada que a Saturnalia, porém, acabou se misturando com o passar dos séculos e se tornando tão festiva quanto. The celebration was less hectic than the Saturnalia, however, it ended up mixing over the centuries and becoming just as festive.

A seita cristã the christian sect

Nos primeiros séculos do calendário gregoriano, uma nova seita passou a ganhar força em Roma, tratava-se dos cristãos, monoteístas, porém seguidores de uma trindade, onde, Jesus Cristo era o deus na Terra.

Após o Imperador Constantino se converter à nova seita, ela passou, gradativamente a se tornar a religião dominante do Império Romano.

Por muito tempo o cristianismo e a religião antiga coexistiram em Roma. E a Saturnália continuava a ser festejada, até mesmo por cristãos, afinal, fazia parte da tradição de Roma.

A páscoa era a principal celebração cristã. O nascimento de Jesus não era celebrado e, aliás, nem mesmo se sabia o dia de seu nascimento. Porém, o Papa Julius I definiu a data do nascimento para o dia 25 de dezembro. Dessa forma, a igreja teria mais facilidade na aceitação do natal pelos pagãos. That way, the church would have an easier time accepting Christmas for the pagans. No entanto, acabar com a Saturnália era impensável, e desistiram também de ditar como o natal deveria ser celebrado. E assim, misturando-se a Saturnália e as celebrações do deus Mithra, o carnavalesco natal cristão é celebrado por vários séculos, cada parte da Europa com suas tradições.

O fim do natal

Justamente por ter raízes pagãs, o natal não era bem visto por puritanos e ortodoxos, que quando tomaram o poder na Inglaterra, no século XVII, cancelaram as festividades natalinas para recuperar a decência britânica.

Quando Carlos II recuperou o trono, ele reestabeleceu a celebração do natal, porém, os peregrinos separatistas britânicos que partiram para a América em 1620, fizeram com que o natal fosse mal visto até o final do século, quando após a Revolução Americana, os costumes britânicos caíram, incluindo o natal, que só veio a ser considerado um feriado nacional em 1870.

Os americanos então reinventaram o natal, o transformando numa festividade familiar e caseira.

Santa Claus

Surgia também no século XIX a figura do Papai Noel. Apesar de tradições antigas já contarem com a presença de entidades nas crenças, o Papai-Noel como o conhecemos hoje também é uma invenção americana baseada em uma lenda Européia. Although ancient traditions already count on the presence of entities in beliefs, Santa Claus as we know him today is also an American invention based on a European legend.

São Nicolau foi um monge nascido por volta do ano 280. Ficou conhecido por sua bondade e generosidade. Uma das lendas conta que ele doou toda sua riqueza e passou a viajar ajudando os pobres e doentes. Na época do renascimento, São Nicolau era um dos santos mais populares na Europa, e o dia de sua morte, 6 de dezembro, era o dia de celebrá-lo, principalmente na Holanda.

E foi assim que foi noticiado em um jornal de Nova York no século XVIII o fato de famílias holandesas celebrarem São Nicolau em dezembro, ou Sinter Klaas, como era conhecido em holandês, que foi logo adaptado para Santa Claus. Y así se informaba en un periódico neoyorquino del siglo XVIII de que las familias holandesas celebraban a San Nicolás en diciembre, o Sinter Klaas, como se conocía en neerlandés, que pronto se adaptó a Papá Noel. O mesmo monge deu origem também ao Pai Natal e outros personagens do natal na Europa.

Porém não havia uma imagem definida de Papai Noel. Com o passar dos anos, desenhos e descrições dele tinham os mais diferentes aspectos, seja na vestimenta ou na aparência física. Over the years, drawings and descriptions of him had the most different aspects, whether in clothing or physical appearance.

Foi só no século XIX, quando o natal foi abraçado pelo comércio e a tradição de fazer compras para presentear os parentes e amigos ganhou força, que um modelo universal de Papai Noel foi se formando. It was only in the 19th century, when Christmas was embraced by commerce and the tradition of shopping for gifts to relatives and friends gained strength, that a universal model of Santa Claus was formed. Um velhinho de barba branca e roupas vermelhas passou a ser mais usado, e ganhou grande popularidade ao ser adotado pela Coca-Cola numa de suas propagandas.

O natal de hoje

O natal hoje é praticamente um evento comercial. Compre! Junto com o sucesso do natal veio o dia dos pais, das mães, das crianças, enfim, o ponto fraco das famílias para que se sintam obrigadas a comprar, comprar, comprar. Along with the success of Christmas came Father's Day, Mother's Day, Children's Day, in short, the weakness of families so that they feel obliged to buy, buy, buy.

Do que era uma festividade alegre, carnavalesca e lúdica não restou muita coisa, sendo hoje uma grande mistura de influências de várias religiões, crenças, culturas e costumes milenares.

Porém, muito mais do que religião, o natal é, nos dias de hoje a única forma de reunir a família para celebrar, confraternizar, brigar, comer e presentear. However, much more than religion, Christmas is, nowadays, the only way to gather the family to celebrate, fraternize, fight, eat and present.

Que saudade de Roma, Ho Ho Ho… How I miss Rome, Ho Ho Ho…