×

Мы используем cookie-файлы, чтобы сделать работу LingQ лучше. Находясь на нашем сайте, вы соглашаетесь на наши правила обработки файлов «cookie».


image

Em Poucas Palavras – Kurzgesagt (Brazilian), O Último Humano – Um Olhar Sobre o Futuro Distante

O Último Humano – Um Olhar Sobre o Futuro Distante

O futuro da humanidade parece incerto.

Mudanças climáticas, divisão política, ganância e fraqueza dificultam um olhar otimista

sobre nossa espécie, e muitos pensam que estamos perto do fim.

Mas os humanos sempre pensaram viver no fim dos tempos.

Todas as gerações se acham especiais o suficiente para presenciar o apocalipse, mas aí a vida

segue.

E isso é um problema, pois nos faz pensar a curto prazo e nos impede de criar o melhor

mundo para nós e para nossos descendentes.

E o pior é que podemos realmente estar vivendo num momento extremamente crítico da história

humana.

Para entender o porquê, vamos olhar para a janela temporal da humanidade e perguntar:

Quando nascerá o último humano e quantas pessoas terão vivido até então?

Esse tipo de estimativa é muito incerto.

Por isso, considere tudo com bastante cuidado.

Para ter uma noção de quantas pessoas existirão na humanidade, vamos ver quantas já viveram.

Os humanos modernos surgiram há cerca de 200 mil anos.

Eles eram excepcionalmente bons em fazer ferramentas, contar histórias, pensar de forma abstrata,

planejar e trabalhar juntos em grandes grupos.

Ainda não éramos muitos.

Os excedentes alimentares eram escassos, a sobrevivência era difícil, a expectativa

de vida era baixa.

Levamos 150.000 anos até alcançarmos uma população de 2 milhões de humanos.

As melhorias foram graduais e eventualmente levaram à revolução agrária, indiscutivelmente

a maior mudança em nossa história.

Foi quando realmente começamos a crescer.

Foram mais dez mil anos até chegarmos a 300 milhões.

Mas esse crescimento foi superado com a Revolução industrial.

Em 1800, éramos um bilhão.

A população humana dobrou em apenas 120 anos e, depois, dobrou novamente em cinquenta

anos.

Hoje, somamos cerca de 8 bilhões.

No total, nos últimos duzentos mil anos, cerca de 117 bilhões de humanos nasceram

e viveram, e 109 bilhões também morreram.

Ou seja, cerca de 7% de todos os seres humanos que já existiram estão vivos neste momento.

Tantos quantos nasceram nos primeiros 150.000 anos da história humana.

A cada minuto, 270 bebês se juntam à festa.

Mas não há apenas mais pessoas: nunca antes fomos tão saudáveis, prósperos ou vivemos

tanto.

O padrão de vida melhorou, e a taxa de natalidade caiu.

A ONU estima que por volta do ano de 2100 atingiremos o nosso pico populacional, com

mais de 125 milhões de pessoas nascendo a cada ano.

É improvável que a taxa de natalidade seja sempre a mesma, mas façamos de conta para

simplificar nossa teoria.

O número de pessoas vivendo no futuro depende de quando a nossa espécie morrerá.

E é aqui que encontramos mais incertezas.

Somos capazes de nos destruir com as nossas próprias invenções, mas também podemos

encontrar soluções para evitar catástrofes.

Podemos mudar a rota de asteroides assassinos, mas também inventamos armas nucleares.

Descobrimos antibióticos, mas também espalhamos doenças pelo mundo em poucos dias.

Nosso sistema industrial nos deu um incrível padrão de vida, mas também mudou a atmosfera.

É muito difícil dizer se a genialidade humana prolongará ou encurtará a vida da nossa

espécie.

Se as coisas saírem mal, nosso fim pode vir de repente.

Mas se conseguirmos evitar isso, os humanos podem continuar vivendo por muito tempo.

Portanto, cada dia que não nos destruímos pode significar vida para um número insondável

de humanos.

De quantas pessoas estamos falando?

Depende de quão longe nossa espécie vai se expandir.

Cenário 1: os humanos nunca deixarão a Terra Se ficarmos em nosso planeta, uma boa métrica

a observar é a taxa de extinção de animais que obtemos do registro fóssil.

A expectativa de vida média das espécies mamíferas é de 1 milhão de anos, e algumas

sobrevivem até 10 milhões de anos.

Nosso parente próximo, o homo erectus, sobreviveu por cerca de 1,9 milhão de anos.

Vamos ser conservadores e assumir que os humanos sobreviverão por 1 milhão de anos, o que

nos deixaria com mais 800.000 anos a frente.

Considerando uma taxa de natalidade estável de 125 milhões de pessoas por ano, ainda

há cerca de 100 trilhões de humanos para nascer.

850 vezes mais pessoas do que o total de pessoas que já viveram.

Quer dizer que todos os vivos hoje somariam apenas 0,008% de todas as pessoas que existirão.

Pense em onde isso nos coloca.

Em vez de estarmos no final da bagunça caótica que era o nosso passado, isso significaria

que estamos no início de algo grande.

O início da história humana, e não o fim, como muitos pensam.

Isso não soa incrivelmente diferente?

Agora, considere que esta estimativa pode ser extremamente pessimista.

Se considerarmos o tempo de sobrevivência dos mamíferos mais longevos, o número de

pessoas que ainda não nasceu aumentará para 1,2 quatrilhão.

E mesmo isso parece longe do nosso potencial: Enquanto o Sol vai ficando mais quente e brilhante,

a Terra será habitável por cerca de 500 milhões de anos, dando a tantas pessoas em

potencial a chance de se tornarem pessoas reais.

E agora, vamos começar a pensar grande.

Cenário 2: os humanos deixarão a Terra Passamos de humanos adoradores da Lua para

exploradores da Lua.

Então, quem sabe aonde mais podemos ir?

Se não morrermos nas próximas centenas de anos, ideias que parecem bizarras agora poderão

tornar-se realidade.

Se acreditarmos que temos uma chance de sobreviver por milhões de anos, então poderíamos habitar

outros planetas ou criar mundos artificiais.

A vida precisa de três coisas: superfície,

recursos e energia.

O Sol fornecerá energia por bilhões de anos, e há água e matéria suficientes nos cinturões

de asteroides e de Kuiper para sustentar nossa população atual várias vezes.

Em vez de viver em planetas, poderíamos construir nossos próprios mundos e habitats artificiais.

Com tantos recursos e energia, poderíamos experimentar outros tipos de sociedade e modos

de vida.

Uma civilização interconectada pelo sistema solar criaria a base para existência de incontáveis

indivíduos, em ordens de grandeza maiores do que se ficarmos na Terra, mesmo se existíssemos

apenas por alguns milhões de anos.

E este futuro não precisa ser sombrio e obscuro como aparece na ficção científica.

Com quatrilhões de pessoas para nascer, teremos bilhões de médicos buscando a cura do câncer,

bilhões de pessoas lutando para acabar com a pobreza e bilhões de desenvolvedores de

videogames tornando a vida divertida.

Mais humanos, na verdade, pode significar mais progresso.

Outra vantagem da expansão além da Terra é que isso dificultaria a nossa extinção,

pois, para isso, seria preciso que uma catástrofe atingisse todo o sistema solar.

Então, exceto pela proximidade de supernovas ou explosões de Raios Gama, a humanidade

ficaria a salvo da extinção por bilhões de anos.

Se nós conseguirmos sobreviver por tanto tempo, a evolução lenta ou a engenharia

genética poderão nos dividir em várias espécies, ou poderemos intencionalmente nos

manter como somos agora.

Com isso em conta, a partir de agora vamos falar sobre pessoas, em vez de humanos.

Certo.

Agora vamos pensar muito grande.

Cenário 3: as pessoas deixarão o Sistema Solar

Por mais enorme que seja o Sistema Solar, ele é apenas um sistema estelar entre bilhões

na Via Láctea.

Se as pessoas do futuro colonizarem 100 bilhões de estrelas e viverem lá por 10 bilhões

de anos, e em cada uma houver 100 milhões de nascimentos por ano, então podemos esperar

algo como 100 octilhões de vidas no futuro.

Isso é 1 com 29 zeros, cem mil trilhões de trilhões.

E podemos expandir o quanto quisermos.

A Andrômeda se fundirá à Via Láctea, então teremos mais trilhões de sistemas para colonizar.

Anãs vermelhas ficam ativas por até 1 trilhão de anos, e civilizações do futuro podem

obter energia até mesmo ao redor de buracos negros.

Uma civilização suficientemente avançada pode até tentar alcançar outros grupos de

galáxias.

Embora sejam números impressionantes, eles podem subestimar grandemente quantas pessoas

estão por nascer.

Dividindo toda a energia disponível numa galáxia pela média de energia que uma pessoa

precisa, teremos um tredecilhão de vidas em potencial.

Um milhão de trilhão de trilhão de trilhão de pessoas em potencial.

Conclusão Felizmente, o que ficou evidente é que, se

não nos matarmos nos próximos séculos ou milênios, quase todos os humanos que existirão

viverão no futuro.

O que nos traz de volta para nós, no presente.

Nós existimos em um ponto alto na história humana, com possibilidades incríveis ao nosso

alcance, tanto tecnológicas quanto ambientais e sociais.

O que fazemos impacta todas as pessoas, até as que ainda não existem.

Então, embora não esteja na moda ser otimista sobre o futuro da humanidade a longo prazo,

talvez isso tenha lhe dado um pouco de perspectiva.

Se estragarmos o presente, muitas pessoas poderão nunca vir a existir.

Quatrilhões de humanos não nascidos estão à nossa mercê.

Mesmo com estimativas bastante prudentes, os que ainda não nasceram são de longe o

maior grupo de pessoas – e o grupo mais desprotegido.

Alguém que pode nascer daqui a mil ou 1 milhão de anos tem sua existência profundamente

dependente de nós, hoje.

É por isso que é importante pensar no futuro distante e por que nossa presença é tão

crucial, por que o que fazemos hoje importa.

Um dia, o último humano nascerá.

Não sabemos quando.

Mas se mudarmos a perspectiva de que não vivemos no final, mas sim no início da história

humana, poderemos não apenas construir um mundo maravilhoso para nós, mas também para

um número incontável de outras pessoas.

Este vídeo foi patrocinado por você.

A produção de nossos vídeos leva muitas horas e, se quiser nos apoiar, para fazermos

ainda mais, pode contribuir pelo site patreon.org e ganhar

seu próprio pássaro Kurzgesagt, ou comprar algum item da nossa loja.

Nós criamos produtos de alta qualidade com temas científicos para despertar sua curiosidade

pela ciência, natureza e pela vida.

O mesmo esforço e amor que colocamos em nossos vídeos também colocamos na criação dos

nossos pôsteres, cadernos, roupas e acessórios.

E a cada compra, você apoia diretamente o que fazemos neste canal.

Mas, por favor, não se sinta obrigado a fazer isso!

Assistir e compartilhar nossos vídeos já nos ajuda muito, e somos gratos por você

se importar com o que fazemos aqui.

Obrigada por assistir!


O Último Humano – Um Olhar Sobre o Futuro Distante Der letzte Mensch - Ein Blick in die ferne Zukunft The Last Human - A Look into the Distant Future El último humano - Una mirada al futuro lejano Le dernier humain - Un regard sur un avenir lointain L'ultimo umano - Uno sguardo al futuro remoto Ostatni człowiek - spojrzenie w odległą przyszłość Den sista människan - en blick in i en avlägsen framtid Son İnsan - Uzak Geleceğe Bir Bakış Остання людина - погляд у далеке майбутнє 最后的人类——展望遥远的未来 最后的人类--遥望遥远的未来

O futuro da humanidade parece incerto. The future of humanity seems uncertain.

Mudanças climáticas, divisão política, ganância e fraqueza dificultam um olhar otimista Climate change, political division, greed and weakness make it difficult to look optimistically ahead

sobre nossa espécie, e muitos pensam que estamos perto do fim. about our species, and many think we are nearing the end.

Mas os humanos sempre pensaram viver no fim dos tempos. But humans have always thought they were living in the end times.

Todas as gerações se acham especiais o suficiente para presenciar o apocalipse, mas aí a vida Every generation thinks it is special enough to witness the apocalypse, but then life 所有世代都认为自己足够特别,能够见证世界末日,但生活

segue.

E isso é um problema, pois nos faz pensar a curto prazo e nos impede de criar o melhor And that's a problem, because it makes us think short-term and prevents us from creating the best

mundo para nós e para nossos descendentes.

E o pior é que podemos realmente estar vivendo num momento extremamente crítico da história And the worst part is that we may actually be living at an extremely critical moment in history

humana.

Para entender o porquê, vamos olhar para a janela temporal da humanidade e perguntar:

Quando nascerá o último humano e quantas pessoas terão vivido até então? When will the last human be born and how many people will have lived by then?

Esse tipo de estimativa é muito incerto.

Por isso, considere tudo com bastante cuidado.

Para ter uma noção de quantas pessoas existirão na humanidade, vamos ver quantas já viveram. To get an idea of how many people there will be in humanity, let's see how many have already lived.

Os humanos modernos surgiram há cerca de 200 mil anos.

Eles eram excepcionalmente bons em fazer ferramentas, contar histórias, pensar de forma abstrata,

planejar e trabalhar juntos em grandes grupos.

Ainda não éramos muitos.

Os excedentes alimentares eram escassos, a sobrevivência era difícil, a expectativa

de vida era baixa.

Levamos 150.000 anos até alcançarmos uma população de 2 milhões de humanos.

As melhorias foram graduais e eventualmente levaram à revolução agrária, indiscutivelmente Förbättringarna skedde gradvis och ledde så småningom till den agrara revolutionen, förmodligen

a maior mudança em nossa história.

Foi quando realmente começamos a crescer.

Foram mais dez mil anos até chegarmos a 300 milhões.

Mas esse crescimento foi superado com a Revolução industrial.

Em 1800, éramos um bilhão.

A população humana dobrou em apenas 120 anos e, depois, dobrou novamente em cinquenta Den mänskliga befolkningen fördubblades på bara 120 år och fördubblades sedan igen på femtio år

anos.

Hoje, somamos cerca de 8 bilhões.

No total, nos últimos duzentos mil anos, cerca de 117 bilhões de humanos nasceram

e viveram, e 109 bilhões também morreram.

Ou seja, cerca de 7% de todos os seres humanos que já existiram estão vivos neste momento.

Tantos quantos nasceram nos primeiros 150.000 anos da história humana.

A cada minuto, 270 bebês se juntam à festa.

Mas não há apenas mais pessoas: nunca antes fomos tão saudáveis, prósperos ou vivemos

tanto.

O padrão de vida melhorou, e a taxa de natalidade caiu.

A ONU estima que por volta do ano de 2100 atingiremos o nosso pico populacional, com

mais de 125 milhões de pessoas nascendo a cada ano.

É improvável que a taxa de natalidade seja sempre a mesma, mas façamos de conta para

simplificar nossa teoria.

O número de pessoas vivendo no futuro depende de quando a nossa espécie morrerá.

E é aqui que encontramos mais incertezas.

Somos capazes de nos destruir com as nossas próprias invenções, mas também podemos

encontrar soluções para evitar catástrofes.

Podemos mudar a rota de asteroides assassinos, mas também inventamos armas nucleares.

Descobrimos antibióticos, mas também espalhamos doenças pelo mundo em poucos dias.

Nosso sistema industrial nos deu um incrível padrão de vida, mas também mudou a atmosfera.

É muito difícil dizer se a genialidade humana prolongará ou encurtará a vida da nossa

espécie.

Se as coisas saírem mal, nosso fim pode vir de repente.

Mas se conseguirmos evitar isso, os humanos podem continuar vivendo por muito tempo.

Portanto, cada dia que não nos destruímos pode significar vida para um número insondável

de humanos.

De quantas pessoas estamos falando?

Depende de quão longe nossa espécie vai se expandir.

Cenário 1: os humanos nunca deixarão a Terra Se ficarmos em nosso planeta, uma boa métrica

a observar é a taxa de extinção de animais que obtemos do registro fóssil.

A expectativa de vida média das espécies mamíferas é de 1 milhão de anos, e algumas

sobrevivem até 10 milhões de anos.

Nosso parente próximo, o homo erectus, sobreviveu por cerca de 1,9 milhão de anos.

Vamos ser conservadores e assumir que os humanos sobreviverão por 1 milhão de anos, o que

nos deixaria com mais 800.000 anos a frente.

Considerando uma taxa de natalidade estável de 125 milhões de pessoas por ano, ainda

há cerca de 100 trilhões de humanos para nascer.

850 vezes mais pessoas do que o total de pessoas que já viveram.

Quer dizer que todos os vivos hoje somariam apenas 0,008% de todas as pessoas que existirão.

Pense em onde isso nos coloca.

Em vez de estarmos no final da bagunça caótica que era o nosso passado, isso significaria

que estamos no início de algo grande.

O início da história humana, e não o fim, como muitos pensam.

Isso não soa incrivelmente diferente?

Agora, considere que esta estimativa pode ser extremamente pessimista.

Se considerarmos o tempo de sobrevivência dos mamíferos mais longevos, o número de

pessoas que ainda não nasceu aumentará para 1,2 quatrilhão.

E mesmo isso parece longe do nosso potencial: Enquanto o Sol vai ficando mais quente e brilhante,

a Terra será habitável por cerca de 500 milhões de anos, dando a tantas pessoas em

potencial a chance de se tornarem pessoas reais.

E agora, vamos começar a pensar grande.

Cenário 2: os humanos deixarão a Terra Passamos de humanos adoradores da Lua para

exploradores da Lua.

Então, quem sabe aonde mais podemos ir?

Se não morrermos nas próximas centenas de anos, ideias que parecem bizarras agora poderão

tornar-se realidade.

Se acreditarmos que temos uma chance de sobreviver por milhões de anos, então poderíamos habitar

outros planetas ou criar mundos artificiais.

A vida precisa de três coisas: superfície,

recursos e energia.

O Sol fornecerá energia por bilhões de anos, e há água e matéria suficientes nos cinturões

de asteroides e de Kuiper para sustentar nossa população atual várias vezes.

Em vez de viver em planetas, poderíamos construir nossos próprios mundos e habitats artificiais.

Com tantos recursos e energia, poderíamos experimentar outros tipos de sociedade e modos

de vida.

Uma civilização interconectada pelo sistema solar criaria a base para existência de incontáveis

indivíduos, em ordens de grandeza maiores do que se ficarmos na Terra, mesmo se existíssemos

apenas por alguns milhões de anos.

E este futuro não precisa ser sombrio e obscuro como aparece na ficção científica.

Com quatrilhões de pessoas para nascer, teremos bilhões de médicos buscando a cura do câncer,

bilhões de pessoas lutando para acabar com a pobreza e bilhões de desenvolvedores de

videogames tornando a vida divertida.

Mais humanos, na verdade, pode significar mais progresso.

Outra vantagem da expansão além da Terra é que isso dificultaria a nossa extinção,

pois, para isso, seria preciso que uma catástrofe atingisse todo o sistema solar.

Então, exceto pela proximidade de supernovas ou explosões de Raios Gama, a humanidade

ficaria a salvo da extinção por bilhões de anos.

Se nós conseguirmos sobreviver por tanto tempo, a evolução lenta ou a engenharia

genética poderão nos dividir em várias espécies, ou poderemos intencionalmente nos

manter como somos agora.

Com isso em conta, a partir de agora vamos falar sobre pessoas, em vez de humanos.

Certo.

Agora vamos pensar muito grande.

Cenário 3: as pessoas deixarão o Sistema Solar

Por mais enorme que seja o Sistema Solar, ele é apenas um sistema estelar entre bilhões

na Via Láctea.

Se as pessoas do futuro colonizarem 100 bilhões de estrelas e viverem lá por 10 bilhões

de anos, e em cada uma houver 100 milhões de nascimentos por ano, então podemos esperar

algo como 100 octilhões de vidas no futuro.

Isso é 1 com 29 zeros, cem mil trilhões de trilhões.

E podemos expandir o quanto quisermos.

A Andrômeda se fundirá à Via Láctea, então teremos mais trilhões de sistemas para colonizar.

Anãs vermelhas ficam ativas por até 1 trilhão de anos, e civilizações do futuro podem

obter energia até mesmo ao redor de buracos negros.

Uma civilização suficientemente avançada pode até tentar alcançar outros grupos de

galáxias.

Embora sejam números impressionantes, eles podem subestimar grandemente quantas pessoas

estão por nascer.

Dividindo toda a energia disponível numa galáxia pela média de energia que uma pessoa

precisa, teremos um tredecilhão de vidas em potencial.

Um milhão de trilhão de trilhão de trilhão de pessoas em potencial.

Conclusão Felizmente, o que ficou evidente é que, se

não nos matarmos nos próximos séculos ou milênios, quase todos os humanos que existirão

viverão no futuro.

O que nos traz de volta para nós, no presente.

Nós existimos em um ponto alto na história humana, com possibilidades incríveis ao nosso

alcance, tanto tecnológicas quanto ambientais e sociais.

O que fazemos impacta todas as pessoas, até as que ainda não existem.

Então, embora não esteja na moda ser otimista sobre o futuro da humanidade a longo prazo,

talvez isso tenha lhe dado um pouco de perspectiva.

Se estragarmos o presente, muitas pessoas poderão nunca vir a existir.

Quatrilhões de humanos não nascidos estão à nossa mercê.

Mesmo com estimativas bastante prudentes, os que ainda não nasceram são de longe o

maior grupo de pessoas – e o grupo mais desprotegido.

Alguém que pode nascer daqui a mil ou 1 milhão de anos tem sua existência profundamente

dependente de nós, hoje.

É por isso que é importante pensar no futuro distante e por que nossa presença é tão

crucial, por que o que fazemos hoje importa.

Um dia, o último humano nascerá.

Não sabemos quando.

Mas se mudarmos a perspectiva de que não vivemos no final, mas sim no início da história

humana, poderemos não apenas construir um mundo maravilhoso para nós, mas também para

um número incontável de outras pessoas.

Este vídeo foi patrocinado por você.

A produção de nossos vídeos leva muitas horas e, se quiser nos apoiar, para fazermos

ainda mais, pode contribuir pelo site patreon.org e ganhar

seu próprio pássaro Kurzgesagt, ou comprar algum item da nossa loja.

Nós criamos produtos de alta qualidade com temas científicos para despertar sua curiosidade

pela ciência, natureza e pela vida.

O mesmo esforço e amor que colocamos em nossos vídeos também colocamos na criação dos

nossos pôsteres, cadernos, roupas e acessórios.

E a cada compra, você apoia diretamente o que fazemos neste canal.

Mas, por favor, não se sinta obrigado a fazer isso!

Assistir e compartilhar nossos vídeos já nos ajuda muito, e somos gratos por você

se importar com o que fazemos aqui.

Obrigada por assistir!