×

Мы используем cookie-файлы, чтобы сделать работу LingQ лучше. Находясь на нашем сайте, вы соглашаетесь на наши правила обработки файлов «cookie».


image

Em Poucas Palavras – Kurzgesagt (Brazilian), Este vírus não deveria existir (Mas existe)

Este vírus não deveria existir (Mas existe)

Escondida no microverso ao seu redor, há uma guerra impiedosa sendo travada

pelos verdadeiros governantes deste planeta: os micro-organismos. Amebas, protistas, bactérias,

arqueas e fungos competem por recursos e espaço. Além deles, há os estranhos horrores que são

os vírus, que caçam todos os outros. Mesmo não vivos, eles são os menores,

mais abundantes e mortais seres da Terra, matando trilhões de outros seres todos os dias.

Eles não estão interessados em recursos, mas apenas em coisas

vivas para dominar. Ou assim pensávamos. Acontece que existem vírus gigantes que

confundem a linha entre a vida e a morte – e outros vírus que os caçam.

Consideravelmente menores do que células ou mesmo bactérias, os vírus são nada além de um invólucro,

um pouco de material genético e algumas proteínas. Sem metabolismo, sem nenhuma forma de propulsão,

sem nenhuma vontade ou ambição. Eles flutuam sem rumo e esperam achar uma

vítima para infectar e, assim, assumir o controle. Os vírus são tão simples que não sabemos se devem

ser considerados seres vivos ou não. Alguns cientistas argumentam

que os vírus estão vivos. Outros acham que as células infectadas por

eles são os verdadeiros vírus vivos, organismos híbridos chamados virocélulas. Já as partículas

virais são mais como sementes ou esporos. E há ainda muitos outros que defendem

que os vírus são apenas material morto. A origem dos vírus é um mistério. Em primeiro

lugar, como algo que precisa de vítimas para se replicar poderia surgir? Existem muitas ideias.

Os vírus podem ter sido etapas essenciais para o surgimento da vida, ou podem ter surgido como

ADN escapado de células e que se tornou muito eficiente em replicar a si mesmo.

Talvez sejam descendentes de parasitas preguiçosos,

que deixavam os outros trabalharem por eles. Atualmente, acredita-se que os vírus

provavelmente surgiram várias vezes de origens diferentes, mas ainda não sabemos ao certo.

Seja qual for a verdade, os vírus são os seres mais bem-sucedidos deste planeta.

Há cerca de 10.000 bilhões de bilhões de bilhões de vírus na Terra.

Se colocássemos todos lado a lado, eles se estenderiam por 100 milhões de anos-luz – isto é,

500 vezes a largura da Via Láctea. Recentemente, os vírus tornaram-se

ainda mais estranhos, quando os cientistas encontraram um tipo completamente novo. Os

vírus gigantes, apelidados de "megavírus". Eles quebraram recordes e colocaram em xeque

muito do que sabíamos sobre sua natureza. Os megavírus vêm até com seus próprios parasitas,

os virófagos. Isto é, vírus que caçam outros vírus, o que aparentemente não faz sentido algum.

E desde que identificamos o primeiro deles, em 2003, parece que esses

gigantes estão em todos os lugares que olhamos. Nos oceanos, em caixas d'água, nas entranhas dos

porcos e nas bocas dos humanos. E eles são muito estranhos.

Os megavírus são engraçados, têm formas geométricas peludas ou parecem um pepino - muito

maiores do que todos os vírus já conhecidos, o que explica como eles puderam se esconder por séculos.

Os cientistas os viam nos microscópios e pensavam que eram bactérias. É como

descobrir de repente que há patos do tamanho de elefantes, por todo lado.

A maioria dos megavírus encontrados até agora caça amebas e outros seres unicelulares.

Quando eles encontram uma vítima, eles se conectam com ela e usam seus processos

naturais para entrar na célula. Como todos os vírus, seu objetivo é se apropriar da

infraestrutura das vítimas e procriar. Imagine um rato entrar na sua boca,

usar suas entranhas, ossos e tecidos e criar uma fábrica de ratos.

O megavírus descarrega suas proteínas de ataque e material genético e reorganiza a célula por

dentro. Seus elementos estruturais, mecanismo de produção de proteínas e grandes quantidades

de mitocôndrias para energia são alterados para se tornarem uma fábrica chamada de viroplasma.

Alguns megavírus até constroem uma membrana para protegê-los das defesas antivirais da célula.

Ao terminar, o viroplasma começa a montar novos megavírus, usando o interior da vítima

até que ele seja totalmente preenchido. Por fim, o invasor geralmente ordena que

a célula se autodestrua e libera novos megavírus para procurar novas presas.

Mas o que torna os megavírus especiais não é seu modus operandi ou seu tamanho.

É que eles são muito mais complexos do que imaginávamos ser possível para um vírus.

As células humanas têm cerca de 20.000 genes. Uma bactéria regular tem alguns milhares de genes.

O coronavírus tem cerca de 15; o HIV e o vírus da gripe, em torno de 10.

O número de genes por si só certamente não é tudo, o tomate, por exemplo, tem 35.000 genes.

Porém, pensamos na vida como um sistema complexo, então, aquilo que está abaixo

de certa complexidade se aproxima mais de material morto do que de um organismo vivo.

Mas os megavírus podem ter centenas ou mesmo milhares de genes, tornando tênue a linha

que separa coisas vivas e mortas. E não é só a quantidade de genes

que é especial, mas também o que eles fazem. Pensávamos que os genes virais eram instruções

muito simples, apenas suficientes para burlar a defesa de suas vítimas e criar novos vírus.

Mas muitos genes de megavírus são completamente únicos, basicamente são genes misteriosos. E ainda

mais confuso: uma enorme porção desses genes é realmente característica dos seres vivos.

Genes que regulam a ingestão de nutrientes, a produção de energia, a captação de luz,

a replicação ou são fundamentais para manter as células vivas.

Estudos recentes sugeriram que alguns megavírus com genomas muito complexos podem ser capazes

de manter um nível básico de metabolismo por conta própria, o que, se for verdade,

abalará ainda mais o que pensávamos dos vírus. Ainda não sabemos nada com certeza, mas uma teoria

sobre os genes dos megavírus é que eles podem alterar fundamentalmente a fisiologia e a evolução

de suas vítimas, integrando seus próprios genomas e fundindo-se com eles em organismos quiméricos.

Ou, ao contrário, podem levar com eles alguns genes dos hospedeiros e se transformarem.

Por bilhões de anos, os megavírus podem ter coexistido e infectado células, exercendo uma

influência invisível no desenvolvimento da vida. Não apenas como um parasita,

mas empurrando a evolução em diferentes direções, misturando genes por todos os lados.

O que nos leva a outra coisa única sobre eles. Virófagos, os vírus caçando megavírus.

O conceito é incompreensível - é possível algo que pode estar

morto caçar algo que pode estar morto também? Vamos olhar para um deles. O virófago Sputnik

está caçando um megavírus chamado Mamavírus, que, por sua vez, está caçando ameba.

O Sputnik é um vírus minúsculo e minimalista que sequer tem

os genes e ferramentas para se replicar. O que ele tem é a capacidade de sequestrar

as fábricas de viroplasma dos mamavírus. Portanto, os virófagos precisam que suas vítimas,

os megavírus, infectem primeiro a vítima deles, uma ameba, para então eles poderem parasitá-la.

Um viroplasma de mamavírus infectado pelo Sputnik só pode produzir pouquíssimos megavírus novos e,

entre estes, muitos são deformados e quebrados, incapazes de infectar outras células. Em vez

disso, ele produz vários novos virófagos Sputnik. Outros virófagos são ainda mais sutis.

Quando infectam um viroplasma, eles apenas integram seu código genético nos megavírus

recém-produzidos, como agentes adormecidos. E da próxima vez que um desses megavírus

infiltrados infectar com sucesso uma célula, ela produzirá virófagos ao invés de megavírus.

Os megavírus não são completamente indefesos – há alguns anos, o mundo ficou maravilhado

quando cientistas descobriram o sistema CRISPR, um sistema de defesa de bactérias contra vírus.

Acontece que alguns megavírus têm um sistema que pode ser

semelhante ao CRISPR – uma espécie de sistema imunológico dos megavírus contra virófagos!

Por sua vez, os virófagos podem ser usados por células vivas

como uma forma de defesa anti-megavírus. Alguns protistas foram encontrados integrando

o código genético dos virófagos em seus genomas e os mantiveram.

Quando os protistas eram infectados por megavírus, eles usavam o código

genético para criar virófagos para controlar as fábricas de megavírus.

No final, o protista ainda morreria pela infecção de megavírus. Mas em vez de liberar

megavírus para matar seus colegas, ele liberava virófagos para caçá-los.

O que é incrível de tudo isso que contamos neste vídeo é que ainda estamos bem no início.

Não se passaram nem vinte anos desde a descoberta dos megavírus e virófagos.

Há tanta coisa acontecendo no microverso. A vida não é um evento isolado, mas um jogo de

pingue-pongue de trilhões de organismos e vírus. Então, quando você se sentir triste,

como se não houvesse muita novidade para descobrir, pense nos megavírus e em todos os

outros patos do tamanho de elefantes ao nosso redor. Invisíveis até olharmos mais de perto.

Nós precisamos da SUA ajuda! Você sabe que o Kurzgesagt já existe em

inglês. Agora, finalmente podemos oferecer nossos vídeos também em português e tornar as explicações

científicas acessíveis para mais pessoas. Mas isso requer bastante tempo, esforço e,

é claro, dinheiro para traduzir nossos vídeos e manter o canal. E

você pode ajudar com a sua divulgação! Compartilhe o canal e os nossos vídeos

nas redes sociais, para os amigos e a família. Conte sobre o canal e que ainda há muito mais por

vir. Assim, poderemos continuar nosso trabalho! O nosso objetivo é atingir o máximo de pessoas

possível, trazendo ideias e o amor pela ciência, pelo nosso universo e pela

existência humana em português. Muito obrigada por assistir.

Este vírus não deveria existir (Mas existe) Dieser Virus sollte nicht existieren (tut er aber) This virus should not exist (but it does) Este virus no debería existir (pero existe) Ce virus ne devrait pas exister (mais il existe) Questo virus non dovrebbe esistere (ma esiste) このウイルスは存在すべきではない(しかし存在する) Ten wirus nie powinien istnieć (ale istnieje) Этот вирус не должен существовать (но он существует) Цей вірус не повинен існувати (але він існує) 這種病毒不應該存在(但它確實存在)

Escondida no microverso ao seu redor,  há uma guerra impiedosa sendo travada

pelos verdadeiros governantes deste planeta: os  micro-organismos. Amebas, protistas, bactérias,

arqueas e fungos competem por recursos e espaço. Além deles, há os estranhos horrores que são

os vírus, que caçam todos os outros. Mesmo não vivos, eles são os menores,

mais abundantes e mortais seres da Terra,  matando trilhões de outros seres todos os dias.

Eles não estão interessados em recursos, mas apenas em coisas

vivas para dominar. Ou assim pensávamos. Acontece que existem vírus gigantes que

confundem a linha entre a vida e a  morte – e outros vírus que os caçam.

Consideravelmente menores do que células ou mesmo  bactérias, os vírus são nada além de um invólucro,

um pouco de material genético e algumas proteínas. Sem metabolismo, sem nenhuma forma de propulsão,

sem nenhuma vontade ou ambição. Eles flutuam sem rumo e esperam achar uma

vítima para infectar e, assim, assumir o controle. Os vírus são tão simples que não sabemos se devem

ser considerados seres vivos ou não. Alguns cientistas argumentam

que os vírus estão vivos. Outros acham que as células infectadas por

eles são os verdadeiros vírus vivos, organismos  híbridos chamados virocélulas. Já as partículas

virais são mais como sementes ou esporos. E há ainda muitos outros que defendem

que os vírus são apenas material morto. A origem dos vírus é um mistério. Em primeiro

lugar, como algo que precisa de vítimas para se  replicar poderia surgir? Existem muitas ideias.

Os vírus podem ter sido etapas essenciais para  o surgimento da vida, ou podem ter surgido como

ADN escapado de células e que se tornou  muito eficiente em replicar a si mesmo.

Talvez sejam descendentes  de parasitas preguiçosos,

que deixavam os outros trabalharem por eles. Atualmente, acredita-se que os vírus

provavelmente surgiram várias vezes de origens  diferentes, mas ainda não sabemos ao certo.

Seja qual for a verdade, os vírus são os  seres mais bem-sucedidos deste planeta. Whatever the truth, viruses are the most successful beings on this planet.

Há cerca de 10.000 bilhões de  bilhões de bilhões de vírus na Terra.

Se colocássemos todos lado a lado, eles se  estenderiam por 100 milhões de anos-luz – isto é,

500 vezes a largura da Via Láctea. Recentemente, os vírus tornaram-se

ainda mais estranhos, quando os cientistas  encontraram um tipo completamente novo. Os

vírus gigantes, apelidados de "megavírus". Eles quebraram recordes e colocaram em xeque

muito do que sabíamos sobre sua natureza. Os megavírus vêm até com seus próprios parasitas,

os virófagos. Isto é, vírus que caçam outros  vírus, o que aparentemente não faz sentido algum.

E desde que identificamos o primeiro  deles, em 2003, parece que esses

gigantes estão em todos os lugares que olhamos. Nos oceanos, em caixas d'água, nas entranhas dos

porcos e nas bocas dos humanos. E eles são muito estranhos.

Os megavírus são engraçados, têm formas  geométricas peludas ou parecem um pepino - muito

maiores do que todos os vírus já conhecidos, o que  explica como eles puderam se esconder por séculos.

Os cientistas os viam nos microscópios  e pensavam que eram bactérias. É como

descobrir de repente que há patos do  tamanho de elefantes, por todo lado.

A maioria dos megavírus encontrados até agora  caça amebas e outros seres unicelulares.

Quando eles encontram uma vítima, eles  se conectam com ela e usam seus processos

naturais para entrar na célula. Como todos  os vírus, seu objetivo é se apropriar da

infraestrutura das vítimas e procriar. Imagine um rato entrar na sua boca,

usar suas entranhas, ossos e tecidos  e criar uma fábrica de ratos.

O megavírus descarrega suas proteínas de ataque  e material genético e reorganiza a célula por

dentro. Seus elementos estruturais, mecanismo  de produção de proteínas e grandes quantidades

de mitocôndrias para energia são alterados para  se tornarem uma fábrica chamada de viroplasma.

Alguns megavírus até constroem uma membrana para  protegê-los das defesas antivirais da célula.

Ao terminar, o viroplasma começa a montar  novos megavírus, usando o interior da vítima

até que ele seja totalmente preenchido. Por fim, o invasor geralmente ordena que

a célula se autodestrua e libera novos  megavírus para procurar novas presas.

Mas o que torna os megavírus especiais  não é seu modus operandi ou seu tamanho.

É que eles são muito mais complexos do que  imaginávamos ser possível para um vírus.

As células humanas têm cerca de 20.000 genes. Uma bactéria regular tem alguns milhares de genes.

O coronavírus tem cerca de 15; o HIV  e o vírus da gripe, em torno de 10.

O número de genes por si só certamente não é  tudo, o tomate, por exemplo, tem 35.000 genes.

Porém, pensamos na vida como um sistema  complexo, então, aquilo que está abaixo

de certa complexidade se aproxima mais de  material morto do que de um organismo vivo.

Mas os megavírus podem ter centenas ou mesmo  milhares de genes, tornando tênue a linha

que separa coisas vivas e mortas. E não é só a quantidade de genes

que é especial, mas também o que eles fazem. Pensávamos que os genes virais eram instruções

muito simples, apenas suficientes para burlar  a defesa de suas vítimas e criar novos vírus.

Mas muitos genes de megavírus são completamente  únicos, basicamente são genes misteriosos. E ainda

mais confuso: uma enorme porção desses genes  é realmente característica dos seres vivos.

Genes que regulam a ingestão de nutrientes,  a produção de energia, a captação de luz,

a replicação ou são fundamentais  para manter as células vivas.

Estudos recentes sugeriram que alguns megavírus  com genomas muito complexos podem ser capazes

de manter um nível básico de metabolismo  por conta própria, o que, se for verdade,

abalará ainda mais o que pensávamos dos vírus. Ainda não sabemos nada com certeza, mas uma teoria

sobre os genes dos megavírus é que eles podem  alterar fundamentalmente a fisiologia e a evolução

de suas vítimas, integrando seus próprios genomas  e fundindo-se com eles em organismos quiméricos.

Ou, ao contrário, podem levar com eles alguns  genes dos hospedeiros e se transformarem.

Por bilhões de anos, os megavírus podem ter  coexistido e infectado células, exercendo uma

influência invisível no desenvolvimento  da vida. Não apenas como um parasita,

mas empurrando a evolução em diferentes  direções, misturando genes por todos os lados.

O que nos leva a outra coisa única sobre  eles. Virófagos, os vírus caçando megavírus.

O conceito é incompreensível -  é possível algo que pode estar

morto caçar algo que pode estar morto também? Vamos olhar para um deles. O virófago Sputnik

está caçando um megavírus chamado Mamavírus,  que, por sua vez, está caçando ameba.

O Sputnik é um vírus minúsculo  e minimalista que sequer tem

os genes e ferramentas para se replicar. O que ele tem é a capacidade de sequestrar

as fábricas de viroplasma dos mamavírus.  Portanto, os virófagos precisam que suas vítimas,

os megavírus, infectem primeiro a vítima deles,  uma ameba, para então eles poderem parasitá-la.

Um viroplasma de mamavírus infectado pelo Sputnik  só pode produzir pouquíssimos megavírus novos e,

entre estes, muitos são deformados e quebrados,  incapazes de infectar outras células. Em vez

disso, ele produz vários novos virófagos Sputnik. Outros virófagos são ainda mais sutis.

Quando infectam um viroplasma, eles apenas  integram seu código genético nos megavírus

recém-produzidos, como agentes adormecidos. E da próxima vez que um desses megavírus

infiltrados infectar com sucesso uma célula,  ela produzirá virófagos ao invés de megavírus.

Os megavírus não são completamente indefesos  – há alguns anos, o mundo ficou maravilhado

quando cientistas descobriram o sistema CRISPR,  um sistema de defesa de bactérias contra vírus.

Acontece que alguns megavírus  têm um sistema que pode ser

semelhante ao CRISPR – uma espécie de sistema  imunológico dos megavírus contra virófagos!

Por sua vez, os virófagos podem  ser usados por células vivas

como uma forma de defesa anti-megavírus. Alguns protistas foram encontrados integrando

o código genético dos virófagos  em seus genomas e os mantiveram.

Quando os protistas eram infectados  por megavírus, eles usavam o código

genético para criar virófagos para  controlar as fábricas de megavírus.

No final, o protista ainda morreria pela  infecção de megavírus. Mas em vez de liberar

megavírus para matar seus colegas,  ele liberava virófagos para caçá-los.

O que é incrível de tudo isso que contamos  neste vídeo é que ainda estamos bem no início.

Não se passaram nem vinte anos desde a  descoberta dos megavírus e virófagos.

Há tanta coisa acontecendo no microverso. A  vida não é um evento isolado, mas um jogo de

pingue-pongue de trilhões de organismos e vírus. Então, quando você se sentir triste,

como se não houvesse muita novidade para  descobrir, pense nos megavírus e em todos os

outros patos do tamanho de elefantes ao nosso  redor. Invisíveis até olharmos mais de perto.

Nós precisamos da SUA ajuda! Você sabe que o Kurzgesagt já existe em

inglês. Agora, finalmente podemos oferecer nossos  vídeos também em português e tornar as explicações

científicas acessíveis para mais pessoas. Mas isso requer bastante tempo, esforço e,

é claro, dinheiro para traduzir  nossos vídeos e manter o canal. E

você pode ajudar com a sua divulgação! Compartilhe o canal e os nossos vídeos

nas redes sociais, para os amigos e a família. Conte sobre o canal e que ainda há muito mais por

vir. Assim, poderemos continuar nosso trabalho! O nosso objetivo é atingir o máximo de pessoas

possível, trazendo ideias e o amor pela  ciência, pelo nosso universo e pela

existência humana em português. Muito obrigada por assistir.