×

We use cookies to help make LingQ better. By visiting the site, you agree to our cookie policy.


image

Em Poucas Palavras – Kurzgesagt (Brazilian), O ser mais mortal do planeta Terra – O bacteriófago

O ser mais mortal do planeta Terra – O bacteriófago

Há bilhões de anos uma verdadeira guerra vem acontecendo, matando trilhões todos os

dias, enquanto nós sequer percebemos.

A guerra é travada pela entidade mais letal do nosso planeta: O bacteriófago, ou fago,

como também é chamado.

O bacteriófago é um vírus, nem bem vivo, nem bem morto, que parece ter sido inventado

por alguém.

Sua cabeça é um icosaedro, uma espécie de dado com 20 faces e 30 arestas.

Ela contém o material genético do vírus e, geralmente, se liga a uma longa cauda com

fibras que servem como pernas.

Há mais fagos na Terra do que todos os outros organismos combinados, incluindo bactérias.

E eles estão em todos os lugares onde existe vida.

Há bilhões deles nas suas mãos, nos seus intestinos e nas suas pálpebras agora mesmo.

Isso pode deixar você nervoso, já que os fagos são responsáveis pela maioria das

mortes no planeta.

Mas, você tem sorte.

Embora eles realmente cometam genocídio no café da manhã, eles só matam bactérias.

Até 40% de todas as bactérias nos oceanos são mortas por eles todos os dias.

Mas os fagos também têm problemas: Como qualquer vírus, precisam de um hospedeiro

para sobreviver e se reproduzir, pois não passam de material genético numa

casca.

E são especializados: Normalmente, um fago escolhe uma bactéria

específica e talvez alguns de seus parentes mais próximos.

Essas são suas presas.

Imagine um fago como um míssil de cruzeiro que só caça e mata membros de uma família

muito azarada.

Quando um fago encontra sua vítima, ele conecta as fibras da sua cauda com receptores e usa

uma espécie de seringa para perfurar a superfície.

Num movimento esquisito, o fago espreme sua cauda e injeta sua informação genética.

Em poucos minutos, a bactéria está dominada.

Ela é forçada a fabricar todas as partes de fagos novos e só para quando já está

cheia deles.

Na etapa final, os fagos produzem endolisina, uma enzima poderosa, que faz um buraco na

bactéria.

A pressão é tão alta que a bactéria vomita todo o seu interior e morre.

Com isso, novos fagos são liberados e começam o ciclo novamente.

Nos últimos anos, os bacteriófagos têm atraído a atenção do segundo organismo

mais letal da Terra: O ser humano.

Recentemente, começamos a investigar se é possível injetá-los no nosso corpo.

Sim, estamos começando a desesperar, porque nós ferramos tudo.

No passado, um corte ou gole d'água do poço errado podia nos matar.

As bactérias eram nossos fagos - pequenos monstros que nos caçavam impiedosamente.

Mas há cerca de cem anos, encontramos uma solução na natureza:

acidentalmente, descobrimos fungos produtores de um composto que mata bactérias:

o antibiótico.

De repente, tínhamos uma poderosa superarma.

Os antibióticos eram tão eficazes que paramos de ver as bactérias como monstros.

Elas passaram a matar somente os mais velhos e os mais fracos.

Passamos a usar antibióticos cada vez mais, por causas cada vez menos graves.

Perdemos o respeito pelos monstros e pela arma.

Mas as bactérias são coisas vivas que evoluem.

E, uma por uma, elas começaram a se tornar imunes às nossas armas.

Isso continuou até que criamos aquilo que chamamos de superbactérias.

Bactérias imunes a quase tudo o que temos.

Essa imunidade está se espalhando pelo mundo agora mesmo.

Em 2050, as superbactérias matarão mais humanos do que o câncer.

Os dias em que um corte, infecção urinária ou tosse poderiam levar à morte estão voltando.

Só nos EUA, mais de 23.000 pessoas morrem por bactérias resistentes a cada ano.

Mas talvez os fagos, os nossos pequenos robôs-vírus assassinos, possam nos salvar,

se os injetarmos em nosso corpo para ajudar a curar infecções.

Mas, espera aí.

Como injetar milhões de vírus em uma infecção poderia ser uma boa ideia?

Os fagos são assassinos de bactérias MUITO especializados.

Tanto que, na verdade, os humanos são completamente imunes a eles.

Humanos e fagos são muito diferentes.

Encontramos bilhões de fagos todos os dias e apenas nos ignoramos educadamente.

Os antibióticos são como um bombardeio, matam tudo, até mesmo as bactérias boas

do intestino, que não queremos machucar.

Os fagos são como mísseis guiados que atacam apenas o que deveriam atacar.

Mas espere um pouco.

Se usarmos os fagos para matar bactérias, elas não vão desenvolver formas de se defender?

Bem, é um pouco mais complexo.

Os fagos também evoluem.

Por bilhões de anos, fagos e bactérias têm travado uma verdadeira guerra, e até agora

os fagos estão indo muito bem.

Para nós, é como se eles fossem armas inteligentes que estão constantemente melhorando.

E mesmo que as bactérias fiquem imunes ao nosso fago, talvez ainda possamos vencer.

Acontece que, para se tornarem resistentes a apenas algumas espécies de fagos, as bactérias

precisam abrir mão da sua resistência aos antibióticos.

Assim, podemos derrotá-las colocando-as entre a espada e o precipício.

Isso já foi testado com sucesso em um paciente que não tinha mais nenhuma esperança.

A bactéria Pseudomonas aeruginosa, uma das bactérias mais temidas, infectou a cavidade

torácica do homem.

Elas são naturalmente resistentes à maioria dos antibióticos e podem até sobreviver

ao álcool em gel.

Após anos sofrendo, alguns milhares de fagos foram injetados em sua cavidade torácica

junto com antibióticos aos quais as bactérias eram imunes.

Depois de algumas semanas, as infecções desapareceram completamente.

Infelizmente, este tratamento ainda é experimental, e as empresas farmacêuticas ainda relutam

em investir os bilhões necessários enum tratamento que ainda não tem aprovação

oficial.

Mas as coisas finalmente estão mudando.

Em 2016, foi iniciado o maior ensaio clínico sobre fagos até o momento, e os fagos estão

recebendo cada vez mais atenção.

E é melhor nos acostumarmos com isso, porque a era em que os antibióticos são nossa superarma

está chegando ao fim.

Pode ser um conceito estranho, mas injetar o ser mais mortífero do planeta Terra diretamente

nos nossos corpos pode salvar milhões de vidas.

Se quiser continuar admirando e apreciando este mundo incrível em que vivemos, você

pode fazer isso com um dos nossos produtos com o tema Vida & Natureza e ser um apoiador

do Kurzgesagt.

Como o nosso mapa de evolução, pôsteres com paisagens ou que brilham no escuro!

Colocamos nos produtos o mesmo cuidado e amor que colocamos em nossos vídeos.

Desde os nossos cadernos até as pelúcias, bottons, moletons e camisetas.

Tudo isso para despertar sua curiosidade pelo espaço, pela natureza e pela vida.

Esta é também a melhor forma de apoiar o que fazemos neste canal.

Mas, por favor, não se sinta obrigado!

Assistir e compartilhar já nos ajuda muito, e somos muito gratos por vocês se importarem

com o que fazemos aqui.

Obrigada por assistir.

O ser mais mortal do planeta Terra – O bacteriófago Die tödlichste Kreatur auf dem Planeten Erde - der Bakteriophage The Deadliest Being on Planet Earth - The Bacteriophage La criatura más mortífera del planeta Tierra: el bacteriófago La créature la plus mortelle de la planète Terre - Le bactériophage La creatura più letale del pianeta Terra - Il batteriofago 地球上最凶の生物バクテリオファージ Najbardziej śmiercionośne stworzenie na Ziemi - bakteriofag Самое смертоносное существо на планете Земля - бактериофаг Dünya gezegenindeki en ölümcül yaratık - Bakteriyofaj

Há bilhões de anos uma verdadeira guerra vem acontecendo, matando trilhões todos os

dias, enquanto nós sequer percebemos. days, while we don't even notice.

A guerra é travada pela entidade mais letal do nosso planeta: O bacteriófago, ou fago, The war is fought by the most lethal entity on our planet: the bacteriophage, or phage,

como também é chamado.

O bacteriófago é um vírus, nem bem vivo, nem bem morto, que parece ter sido inventado The bacteriophage is a virus, neither very alive nor very dead, which seems to have been invented

por alguém. by someone.

Sua cabeça é um icosaedro, uma espécie de dado com 20 faces e 30 arestas. Its head is an icosahedron, a kind of dice with 20 faces and 30 edges.

Ela contém o material genético do vírus e, geralmente, se liga a uma longa cauda com It contains the genetic material of the virus and is usually attached to a long tail with

fibras que servem como pernas.

Há mais fagos na Terra do que todos os outros organismos combinados, incluindo bactérias.

E eles estão em todos os lugares onde existe vida.

Há bilhões deles nas suas mãos, nos seus intestinos e nas suas pálpebras agora mesmo. There are billions of them on your hands, in your intestines and on your eyelids right now.

Isso pode deixar você nervoso, já que os fagos são responsáveis pela maioria das

mortes no planeta.

Mas, você tem sorte.

Embora eles realmente cometam genocídio no café da manhã, eles só matam bactérias. Although they do commit genocide at breakfast, they only kill bacteria.

Até 40% de todas as bactérias nos oceanos são mortas por eles todos os dias.

Mas os fagos também têm problemas: Como qualquer vírus, precisam de um hospedeiro

para sobreviver e se reproduzir, pois não passam de material genético numa

casca.

E são especializados: Normalmente, um fago escolhe uma bactéria

específica e talvez alguns de seus parentes mais próximos.

Essas são suas presas.

Imagine um fago como um míssil de cruzeiro que só caça e mata membros de uma família

muito azarada.

Quando um fago encontra sua vítima, ele conecta as fibras da sua cauda com receptores e usa

uma espécie de seringa para perfurar a superfície.

Num movimento esquisito, o fago espreme sua cauda e injeta sua informação genética.

Em poucos minutos, a bactéria está dominada.

Ela é forçada a fabricar todas as partes de fagos novos e só para quando já está

cheia deles.

Na etapa final, os fagos produzem endolisina, uma enzima poderosa, que faz um buraco na

bactéria.

A pressão é tão alta que a bactéria vomita todo o seu interior e morre.

Com isso, novos fagos são liberados e começam o ciclo novamente.

Nos últimos anos, os bacteriófagos têm atraído a atenção do segundo organismo

mais letal da Terra: O ser humano.

Recentemente, começamos a investigar se é possível injetá-los no nosso corpo.

Sim, estamos começando a desesperar, porque nós ferramos tudo.

No passado, um corte ou gole d'água do poço errado podia nos matar.

As bactérias eram nossos fagos - pequenos monstros que nos caçavam impiedosamente.

Mas há cerca de cem anos, encontramos uma solução na natureza:

acidentalmente, descobrimos fungos produtores de um composto que mata bactérias:

o antibiótico.

De repente, tínhamos uma poderosa superarma.

Os antibióticos eram tão eficazes que paramos de ver as bactérias como monstros.

Elas passaram a matar somente os mais velhos e os mais fracos.

Passamos a usar antibióticos cada vez mais, por causas cada vez menos graves.

Perdemos o respeito pelos monstros e pela arma.

Mas as bactérias são coisas vivas que evoluem.

E, uma por uma, elas começaram a se tornar imunes às nossas armas.

Isso continuou até que criamos aquilo que chamamos de superbactérias.

Bactérias imunes a quase tudo o que temos.

Essa imunidade está se espalhando pelo mundo agora mesmo.

Em 2050, as superbactérias matarão mais humanos do que o câncer.

Os dias em que um corte, infecção urinária ou tosse poderiam levar à morte estão voltando. The days when a cut, urinary infection or cough could lead to death are coming back.

Só nos EUA, mais de 23.000 pessoas morrem por bactérias resistentes a cada ano.

Mas talvez os fagos, os nossos pequenos robôs-vírus assassinos, possam nos salvar, But maybe the phages, our little killer robot-viruses, can save us,

se os injetarmos em nosso corpo para ajudar a curar infecções.

Mas, espera aí.

Como injetar milhões de vírus em uma infecção poderia ser uma boa ideia? How could injecting millions of viruses into an infection be a good idea?

Os fagos são assassinos de bactérias MUITO especializados.

Tanto que, na verdade, os humanos são completamente imunes a eles.

Humanos e fagos são muito diferentes.

Encontramos bilhões de fagos todos os dias e apenas nos ignoramos educadamente.

Os antibióticos são como um bombardeio, matam tudo, até mesmo as bactérias boas

do intestino, que não queremos machucar.

Os fagos são como mísseis guiados que atacam apenas o que deveriam atacar.

Mas espere um pouco.

Se usarmos os fagos para matar bactérias, elas não vão desenvolver formas de se defender?

Bem, é um pouco mais complexo.

Os fagos também evoluem.

Por bilhões de anos, fagos e bactérias têm travado uma verdadeira guerra, e até agora

os fagos estão indo muito bem.

Para nós, é como se eles fossem armas inteligentes que estão constantemente melhorando.

E mesmo que as bactérias fiquem imunes ao nosso fago, talvez ainda possamos vencer.

Acontece que, para se tornarem resistentes a apenas algumas espécies de fagos, as bactérias

precisam abrir mão da sua resistência aos antibióticos.

Assim, podemos derrotá-las colocando-as entre a espada e o precipício.

Isso já foi testado com sucesso em um paciente que não tinha mais nenhuma esperança.

A bactéria Pseudomonas aeruginosa, uma das bactérias mais temidas, infectou a cavidade

torácica do homem.

Elas são naturalmente resistentes à maioria dos antibióticos e podem até sobreviver

ao álcool em gel.

Após anos sofrendo, alguns milhares de fagos foram injetados em sua cavidade torácica

junto com antibióticos aos quais as bactérias eram imunes.

Depois de algumas semanas, as infecções desapareceram completamente.

Infelizmente, este tratamento ainda é experimental, e as empresas farmacêuticas ainda relutam

em investir os bilhões necessários enum tratamento que ainda não tem aprovação

oficial.

Mas as coisas finalmente estão mudando.

Em 2016, foi iniciado o maior ensaio clínico sobre fagos até o momento, e os fagos estão

recebendo cada vez mais atenção.

E é melhor nos acostumarmos com isso, porque a era em que os antibióticos são nossa superarma

está chegando ao fim.

Pode ser um conceito estranho, mas injetar o ser mais mortífero do planeta Terra diretamente

nos nossos corpos pode salvar milhões de vidas.

Se quiser continuar admirando e apreciando este mundo incrível em que vivemos, você

pode fazer isso com um dos nossos produtos com o tema Vida & Natureza e ser um apoiador

do Kurzgesagt.

Como o nosso mapa de evolução, pôsteres com paisagens ou que brilham no escuro!

Colocamos nos produtos o mesmo cuidado e amor que colocamos em nossos vídeos.

Desde os nossos cadernos até as pelúcias, bottons, moletons e camisetas.

Tudo isso para despertar sua curiosidade pelo espaço, pela natureza e pela vida.

Esta é também a melhor forma de apoiar o que fazemos neste canal.

Mas, por favor, não se sinta obrigado!

Assistir e compartilhar já nos ajuda muito, e somos muito gratos por vocês se importarem

com o que fazemos aqui.

Obrigada por assistir.