×

Мы используем cookie-файлы, чтобы сделать работу LingQ лучше. Находясь на нашем сайте, вы соглашаетесь на наши правила обработки файлов «cookie».


image

Mescla - Entrevistas, Brasileiros falam quais são as ideias mais erradas sobre as pessoas de seu estado

Brasileiros falam quais são as ideias mais erradas sobre as pessoas de seu estado

Oxente, bichinho. Tu é de Recife, é?

Os brasileiros em geral sabem muito pouco sobre o meu estado.

Sim, sabem muito pouco.

Sim!

É, eu acho que está correto, né? O pessoal tem muitas crenças sobre o Rio Grande do Sul, né?

Pra nós, gaúcho é tudo loiro, do olho azul, esnobe e rico. Eu digo: é, sou eu, loira, do olho azul, esnobe e rica, né, percebe-se.

Essa daqui é muito... nossa, acho que é o mais clichê de todos.

Algumas pessoas vêm em termos de brincadeira: ai, como que você veio pra São Paulo, veio de pau de arara?

Lá vocês jogam futebol com côco seco, lá vocês comem carne de baleia...

Pra todo mundo aqui, pro mundo todo, baiano é preguiçoso. Só sabe de Carnaval, praia e de festa.

Tem essa coisa de ficar sempre com chimarrão pra lá e pra cá...

É uma coisa que eu faço, minha família faz, mas tem muita gente, por exemplo, da minha geração, meus amigos, que já não chegam

e não vão oferecer o chimarrão assim que a pessoa chega.

Curitiba tem algumas culturas que as pessoas acham que curitibano é antipático, que o curitibano não gosta de sol, que o curitibano só sabe comer pinhão...

E não é bem assim, a gente também gosta bastante de capivara, a gente tem bastante parques lá, e as pessoas julgam muito Curitiba por ser muito antipático,

e eu não concordo muito, não. Um pouco, sim, um pouco, sim, mas não muito.

Eu vou afirmar, no caso, né, porque acho que vindo pro Sudeste, até visitando o Sul, você conversando com outras pessoas, as pessoas perguntam de onde você é...

Aí quando eu falo: a Ilha de Marajó... Aí muitas pessoas não conhecem, mas quando eu falo Pará, aí todo mundo lembra Belém, açaí, peixe frito...

E aí a gente chega num consenso, mas acho que a maioria, assim, desconhece. Sempre traz mais a memória do Nordeste do que do Norte.

Acham que meu estado é só praia, curtição, e tal... De fato, é um lugar paradisíaco, é considerado o paraíso das águas, mas não é só praia.

O Brasil é muito grande, né, então eu vejo que há uma diferença muito grande entre as regiões, entre o Centro, entre o Sudeste, o Sul, o Nordeste...

Cada um tem uma visão de cada um que muitas vezes é uma visão estereotipada e errada, né?

Eu sei que os brasileiros conhecem muito sobre Goiás, mas têm muito a conhecer ainda.

É, realmente, às vezes os brasileiros não sabem muito sobre Minas Gerais... Só acha que a gente é o caipira que está ali com o cigarrinho de palha do lado da boca,

no cantinho, e que só come pão de queijo. E não é bem assim, a gente é mais do que o pão de queijo e o cigarrinho de palha.

A gente não é só cantor sertanejo e mato, não...

A gente é inteligente, vamos dizer assim, né? Não é porque a gente mora em interior que a gente é menos culto do que as pessoas dos outros estados.

Bem, é mentira. O Rio de Janeiro é o cartão-postal do Brasil, né? Tem no clipe da Anita, está em todo lugar,

Carmen Miranda já falava, todo mundo lembra do Corcovado.

Hum... eu discordo, porque eu acho que o que tem mais são estereótipos, né? Tá bom que eu sou um deles, que é essa artistinha, assim, tatuada, descolada...

Os brasileiros, eu acho que não conhecem São Paulo de verdade.

Ainda mais porque eu acredito muito nessa fama de São Paulo de ser essa cidade que, se você vim, você vai ter emprego, por exemplo.

Que não é, né? Não é bem assim... E se é pra muitos brasileiros, tipo essa chance de sair do interior e tals, são muitas vezes esse emprego que é bem precário,

e que não vai te fazer sair do sistema capitalista, que só vai te fazer trabalhar pra pagar conta, mesmo, e continuar assim...

Então eu acho que tem muita coisa pra conhecer em São Paulo que não é... não é dito, mesmo, assim...

As pessoas acham que só porque tem praia no meu estado, todos nós vivemos na praia.

Isso é negativo, porque as praias do Paraná são ruins demais, demais. Tanto é, que tão ruim que é a praia do Paraná,

que as pessoas já acham que Santa Catarina faz parte do Paraná por causa das praias, porque as praias do Paraná são muito ruins...

Tem uma praia lá que chama Matinhos... E Matinhos é mato na areia, assim, ó, você anda na areia, você pisa, é grama, embaixo areia.

É um negócio assustador, é muito estranho.

É, o pessoal na verdade esquece que o Rio Grande do Sul tem praia, né? O pessoal pensa que todo mundo vive no inverno, lá, né.

Que vive na neve, vai pra Gramado o ano inteiro, tem neve. Mas nós temos praias, só que pela questão climática não dá sempre pra ir pra praia, óbvio, né?

Sim! Gente, não... Eu acho que eu já saí... eu só não saí na porrada, assim, mas já tive briga feia de falar assim, velho, por que que você acha que eu vivo na praia?

Tipo, o meu trabalho é igual ao seu trabalho, a gente precisa trabalhar, se não trabalhar, a conta vai chegar. Literalmente, né?

A gente sabe que o mar tá ali, então tipo, a qualquer momento eu vou, mas as coisas vão passando, várias coisas, e termina que nem sempre a gente vai à praia.

Quando a gente quer tomar banho no mar gostoso, de fato, a gente pega aí uma horinha de estrada, vai no Porto de Galinhas, a gente vai numa praia de Muro Alto,

Carneiros, tem uma infinidade de praias muito boas a duas horinhas de distância, né? Então, eu não sei de onde que saiu essa ideia de que a gente vive dentro da praia.

Pra ser muito sincera, eu, enquanto moradora de Recife, tomei banho muito pouco na praia de Boa Viagem,

principalmente depois que fiquei mais velha, porque você não tem tempo, você leva uma vida como a de qualquer outra pessoa,

que você precisa trabalhar, que você precisa resolver seus problemas e ninguém fica indo pra praia a hora toda.

O jeito que os outros se referem às pessoas do meu estado é muito irritante.

Ah, cara, eu discordo, porque eu acho que quem se importa... acho que quem se importa não tem senso de humor, sabe?

Tudo bem que falam que em São Paulo as pessoas são meio ignorantes, não sei... Eu acho, sinceramente, que é mais um estereótipo do Centro,

assim, meio, Paulista, esses bairros mais de gente nariz em pé, assim...

Não, não, acho, porque normalmente as pessoas se referem às pessoas de Minas Gerais com muito carinho.

Entendeu, dificilmente eu fui a algum lugar assim que eu fui rejeitada, ou que o pessoal me olhou torto por conta de eu ser mineira.

Pelo contrário, na hora que você fala que você é mineira, aí que o pessoal se abre mesmo e é mais legal, que o pessoal gosta das pessoas mineiras

pela receptividade que a gente é. Você acaba de conhecer a pessoa, você já chama pra dentro da sua casa, então isso assim às vezes até quebra barreira,

que aqui em São Paulo, por exemplo, o pessoal é mais fechado, mas na hora que você já começa, se você puxa prosa,

a galera já se abre e aí você já consegue ficar mais amigo. Você vai no Rio de Janeiro, eu, por exemplo, sou flamenguista, eu vou muito pro Rio de Janeiro,

que eu vou ver jogo. Na hora que chega lá, que a pessoa ainda fala que é mineira, aí o pessoal gosta mesmo, porque aí já fala: pô, mineiro que

curte flamengo, que gosta de vir ver jogo, é bem legal isso, acho que nesse ponto não acho irritante, não.

Eu acho que não, acho que o paraense assim, ele é uma pessoa, como posso dizer, acho que não vou usar a palavra correta, mas como se fosse atirado, assim...

Sabe, tipo, chega chegando, fala mesmo o que tem que falar, e as pessoas gostam, né, dessa liberdade assim de você chegar

usar o seu sotaque e as gírias do Pará, sem medo, sabe, de ser julgado por outra pessoa de uma outra região do país.

Não, não acho que seja irritante. É que eu acho que as pessoas, elas têm uma intenção boa, a maioria delas,

mas elas acabam caindo num estereótipo muito forçado, de que porque... é uma coisa que eu vejo, tá?

A gente tem muitos comediantes que são do Nordeste, né, muitos que vêm do Ceará, e tal. E, por conta disso, as pessoas acabam já fazendo uma ligação

de que todo nordestino é engraçado... Sim, nós somos um povo de bom humor, de fato, mas isso é muito de cada pessoa.

O que eu não gosto, geralmente, é que as pessoas tentam... colocam no bolo a questão do baiano preguiçoso, que eu não gosto,

jamais, desse tipo de estereótipo, de que a gente vive na praia, que a gente não trabalha, porque a gente vive na praia,

tipo assim, a gente trabalha como qualquer pessoa, né, então isso é uma coisa que me irrita, é pressupor que a gente não leva uma vida séria

porque a gente tem uma praia urbana, por exemplo, né? Quando eu percebo que a pessoa fala nessa entonação, né,

com essa relação, né, de preguiça ou de falta de vontade, de fato me incomoda um pouco.

Sim, todo mundo acha que carioca é malandro, que carioca vai ganhar vantagem, e não é assim, né?

O pessoal também acha que o carioca tá sempre disposto pra uma festa, que todo carioca sabe sambar, que todo carioca sabe dançar funk...

Não é assim, gente, assim, cada um tem sua tribo lá no Rio de Janeiro, mas eu não gosto da forma como acham que todos nós somos iguais...

Não somos iguais, somos diversos.

Nós não somos preguiçosos, nós só sabemos viver. E viver muito bem.

A gente tem a distração, a gente tem o trabalho, a gente tem tudo. Eu morava a uma quadra da praia, então para eu ir e vir do trabalho, eu passava pela orla.

Então, isso não faz de mim mais ou menos preguiçoso.

Com certeza, porque é muito essa visão assim, de que o gaúcho é estúpido, de que o gaúcho é esnobe, de que o gaúcho é isso, é aquilo.

Então, eu acho que é uma visão... pessoalmente, comigo, nunca aconteceu de alguém vir me dizer, ah... ou me destratar por ser gaúcha, né.

Mas eu sei que existe essa visão de que o gaúcho é muito... é muito egocêntrico, talvez seja a palavra, né?

E o que me deixa feliz é que, normalmente, quando eu encontro com pessoas que em algum momento pensaram assim, elas me dizem que eu consegui fazer

elas mudarem a perspectiva que tinam do Rio Grande do Sul.

Talvez seja, talvez seja um pouco irritante... porque... porque as pessoas acham que o curitibano, ele só sabe falar leite quente, entendeu?

Acho que teve um cara que foi entrevistado em algum jornal do Brasil que falou "leite quente, leite quente, dor de dente"...

Aí todo mundo acha que nóis fala assim, mas não é bem assim.

A gente fala certo, como eu falei, mas irrita um pouquinho porque as pessoas tentam imitar e às vezes não conhecem muito.

Mas, basicamente irrita um pouco, irrita um pouco, sim. Não muito como tá escrito aqui, mas irrita um pouco, sim.


Brasileiros falam quais são as ideias mais erradas sobre as pessoas de seu estado

Oxente, bichinho. Tu é de Recife, é?

Os brasileiros em geral sabem muito pouco sobre o meu estado. Brazilians in general know very little about my state.

Sim, sabem muito pouco. Yes, they know very little.

Sim! Yes!

É, eu acho que está correto, né? O pessoal tem muitas crenças sobre o Rio Grande do Sul, né? Yeah, I think that's correct, right? People have a lot of beliefs about Rio Grande do Sul, right?

Pra nós, gaúcho é tudo loiro, do olho azul, esnobe e rico. Eu digo: é, sou eu, loira, do olho azul, esnobe e rica, né, percebe-se. For us, Gauchos are all blond, blue-eyed, snobby and rich. I say: yeah, it's me, blonde, blue eyed, snobby and rich, right, you can see.

Essa daqui é muito... nossa, acho que é o mais clichê de todos. This one is very... wow, I think it's the most cliché of all.

Algumas pessoas vêm em termos de brincadeira: ai, como que você veio pra São Paulo, veio de pau de arara? Some people come in terms of jokes: oh, how did you come to São Paulo, did you ride a pau de arara?

Lá vocês jogam futebol com côco seco, lá vocês comem carne de baleia... There you play soccer with dry coconut, there you eat whale meat...

Pra todo mundo aqui, pro mundo todo, baiano é preguiçoso. Só sabe de Carnaval, praia e de festa. For everyone here, for the whole world, Bahia is lazy. They only know about Carnival, the beach and party.

Tem essa coisa de ficar sempre com chimarrão pra lá e pra cá... There's this thing of always having chimarrão back and forth...

É uma coisa que eu faço, minha família faz, mas tem muita gente, por exemplo, da minha geração, meus amigos, que já não chegam It's something I do, my family does, but there are a lot of people, for example, from my generation, my friends, who don't come

e não vão oferecer o chimarrão assim que a pessoa chega. and won't offer the chimarrão as soon as the person arrives.

Curitiba tem algumas culturas que as pessoas acham que curitibano é antipático, que o curitibano não gosta de sol, que o curitibano só sabe comer pinhão... Curitiba has some cultures that people think that Curitiba is unfriendly, that Curitiba does not like the sun, that Curitiba only knows how to eat pine nuts...

E não é bem assim, a gente também gosta bastante de capivara, a gente tem bastante parques lá, e as pessoas julgam muito Curitiba por ser muito antipático, And it's not like that, we also like capybara a lot, we have a lot of parks there, and people think Curitiba is very unsympathetic,

e eu não concordo muito, não. Um pouco, sim, um pouco, sim, mas não muito. and I don't really agree. A little yes, a little yes, but not a lot.

Eu vou afirmar, no caso, né, porque acho que vindo pro Sudeste, até visitando o Sul, você conversando com outras pessoas, as pessoas perguntam de onde você é... I will say, in this case, right, because I think that coming to the Southeast, even visiting the South, you are talking to other people, people ask where you are from...

Aí quando eu falo: a Ilha de Marajó... Aí muitas pessoas não conhecem, mas quando eu falo Pará, aí todo mundo lembra Belém, açaí, peixe frito... Then when I say: the Island of Marajó... Then many people don't know it, but when I say Pará, then everyone remembers Belém, açaí, fried fish...

E aí a gente chega num consenso, mas acho que a maioria, assim, desconhece. Sempre traz mais a memória do Nordeste do que do Norte. And then we reach a consensus, but I think that most people don't. It always brings more memories of the Northeast than the North.

Acham que meu estado é só praia, curtição, e tal... De fato, é um lugar paradisíaco, é considerado o paraíso das águas, mas não é só praia. They think my state is just a beach, entertainment, and such... In fact, it's a heavenly place, it's considered a paradise of waters, but it's not just beaches.

O Brasil é muito grande, né, então eu vejo que há uma diferença muito grande entre as regiões, entre o Centro, entre o Sudeste, o Sul, o Nordeste... Brazil is very big, right, so I see that there is a very big difference between the regions, between the Center, between the Southeast, the South, the Northeast...

Cada um tem uma visão de cada um que muitas vezes é uma visão estereotipada e errada, né? Each one has a vision of each other, which is often a stereotyped and wrong view, right?

Eu sei que os brasileiros conhecem muito sobre Goiás, mas têm muito a conhecer ainda. I know that Brazilians know a lot about Goiás, but they still have a lot to know.

É, realmente, às vezes os brasileiros não sabem muito sobre Minas Gerais... Só acha que a gente é o caipira que está ali com o cigarrinho de palha do lado da boca, It's really true, sometimes Brazilians don't know much about Minas Gerais... They just think we're the country folk who's there with the straw cigarette in their mouth,

no cantinho, e que só come pão de queijo. E não é bem assim, a gente é mais do que o pão de queijo e o cigarrinho de palha. in the corner, and who only eats cheese bread. And it's not quite like that, we are more than cheese bread and straw cigarettes.

A gente não é só cantor sertanejo e mato, não... We're not just a country singers and bushes, no...

A gente é inteligente, vamos dizer assim, né? Não é porque a gente mora em interior que a gente é menos culto do que as pessoas dos outros estados. We're smart, let's put it that way, right? It's not because we live in the countryside that we are less cultured than people from other states.

Bem, é mentira. O Rio de Janeiro é o cartão-postal do Brasil, né? Tem no clipe da Anita, está em todo lugar, Well, it's a lie. Rio de Janeiro is the postcard of Brazil, right? There's in Anita's video, it's everywhere,

Carmen Miranda já falava, todo mundo lembra do Corcovado. Carmen Miranda was already talking, everyone remembers Corcovado.

Hum... eu discordo, porque eu acho que o que tem mais são estereótipos, né? Tá bom que eu sou um deles, que é essa artistinha, assim, tatuada, descolada... Hmm... I disagree, because I think there are more stereotypes, right? It's good that I'm one of them, who is this little artist, tattooed, cool...

Os brasileiros, eu acho que não conhecem São Paulo de verdade. Brazilians, I don't think they really know São Paulo.

Ainda mais porque eu acredito muito nessa fama de São Paulo de ser essa cidade que, se você vim, você vai ter emprego, por exemplo. Even more because I really believe in São Paulo's fame of being this city that, if you come, you'll have a job, for example. Which is not, right?

Que não é, né? Não é bem assim... E se é pra muitos brasileiros, tipo essa chance de sair do interior e tals, são muitas vezes esse emprego que é bem precário,

e que não vai te fazer sair do sistema capitalista, que só vai te fazer trabalhar pra pagar conta, mesmo, e continuar assim... and that won't make you leave the capitalist system, which will only make you work to pay the bill, really, and continue like this...

Então eu acho que tem muita coisa pra conhecer em São Paulo que não é... não é dito, mesmo, assim... So I think there's a lot to know in São Paulo that isn't... it's not said, anyway...

As pessoas acham que só porque tem praia no meu estado, todos nós vivemos na praia. People think that just because there's a beach in the my state, we all go to the beach all the time.

Isso é negativo, porque as praias do Paraná são ruins demais, demais. Tanto é, que tão ruim que é a praia do Paraná, This is negative, because the beaches of Paraná are too bad, too bad. So much so, so bad is the beach in Paraná,

que as pessoas já acham que Santa Catarina faz parte do Paraná por causa das praias, porque as praias do Paraná são muito ruins... that people already think that Santa Catarina is part of Paraná because of the beaches, because the beaches in Paraná are very bad...

Tem uma praia lá que chama Matinhos... E Matinhos é mato na areia, assim, ó, você anda na areia, você pisa, é grama, embaixo areia. There's a beach there called Matinhos... And Matinhos is bush on the sand, so, look, you walk on the sand, you step on it, it's grass, sand underneath.

É um negócio assustador, é muito estranho. It's a scary business, it's very strange.

É, o pessoal na verdade esquece que o Rio Grande do Sul tem praia, né? O pessoal pensa que todo mundo vive no inverno, lá, né. Yeah, people actually forget that Rio Grande do Sul has beaches, right? People think that everyone lives in winter there, right.

Que vive na neve, vai pra Gramado o ano inteiro, tem neve. Mas nós temos praias, só que pela questão climática não dá sempre pra ir pra praia, óbvio, né? That we live in the snow, that Gramado is snowy all year long. We have beaches, but because of the climate issue we can't always go to the beach, obviously, right?

Sim! Gente, não... Eu acho que eu já saí... eu só não saí na porrada, assim, mas já tive briga feia de falar assim, velho, por que que você acha que eu vivo na praia? Yes! Guys, no... I think I've already left... I just didn't go out in a row, like that, but I've had an ugly fight talking like that, man, why do you think I live on the beach?

Tipo, o meu trabalho é igual ao seu trabalho, a gente precisa trabalhar, se não trabalhar, a conta vai chegar. Literalmente, né? Like, my work is the same as your work, we need to work, if we don't work, the bill will come. Literally, right?

A gente sabe que o mar tá ali, então tipo, a qualquer momento eu vou, mas as coisas vão passando, várias coisas, e termina que nem sempre a gente vai à praia. We know the sea is there, so like, anytime I go, but things pass, various things, and it ends up that we don't always go to the beach.

Quando a gente quer tomar banho no mar gostoso, de fato, a gente pega aí uma horinha de estrada, vai no Porto de Galinhas, a gente vai numa praia de Muro Alto, When we want to bathe in a pleasant sea, in fact, we take an hour on the road, go to Porto de Galinhas, we go to a beach in Muro Alto,

Carneiros, tem uma infinidade de praias muito boas a duas horinhas de distância, né? Então, eu não sei de onde que saiu essa ideia de que a gente vive dentro da praia. Carneiros, there are a multitude of very good beaches two hours from distance, right? So, I don't know where this idea that we live on the beach came from.

Pra ser muito sincera, eu, enquanto moradora de Recife, tomei banho muito pouco na praia de Boa Viagem, To be quite honest, as a resident of Recife, I bathed very little on Boa Viagem beach,

principalmente depois que fiquei mais velha, porque você não tem tempo, você leva uma vida como a de qualquer outra pessoa, especially after I got older, because you don't have time, you lead a life like anyone else,

que você precisa trabalhar, que você precisa resolver seus problemas e ninguém fica indo pra praia a hora toda. you need to work , you need to solve your problems and nobody is going to the beach all the time.

O jeito que os outros se referem às pessoas do meu estado é muito irritante. The way others refer to people in my state is very irritating.

Ah, cara, eu discordo, porque eu acho que quem se importa... acho que quem se importa não tem senso de humor, sabe? Oh man, I digress because I think whoever cares... I think whoever cares has no sense of humor, you know?

Tudo bem que falam que em São Paulo as pessoas são meio ignorantes, não sei... Eu acho, sinceramente, que é mais um estereótipo do Centro, Okay, they say that people in São Paulo are kind of ignorant, I don't know... I think, honestly, it's more of a stereotype of the Center,

assim, meio, Paulista, esses bairros mais de gente nariz em pé, assim... like, sort of, Paulista, these neighborhoods are more of people with nose up, like that... .

Não, não, acho, porque normalmente as pessoas se referem às pessoas de Minas Gerais com muito carinho. no, no, I think, because usually people refer to people of Minas Gerais with great affection.

Entendeu, dificilmente eu fui a algum lugar assim que eu fui rejeitada, ou que o pessoal me olhou torto por conta de eu ser mineira. You know, I hardly went anywhere where I was rejected, or that people looked at me askance because I was from Minas.

Pelo contrário, na hora que você fala que você é mineira, aí que o pessoal se abre mesmo e é mais legal, que o pessoal gosta das pessoas mineiras On the contrary, when you say that you are from Minas, then people really open up and are nicer, that people like people from Minas

pela receptividade que a gente é. Você acaba de conhecer a pessoa, você já chama pra dentro da sua casa, então isso assim às vezes até quebra barreira, for the receptivity that we are. You've just met the person, you already call them into your house, so sometimes it even breaks the barrier,

que aqui em São Paulo, por exemplo, o pessoal é mais fechado, mas na hora que você já começa, se você puxa prosa, because here in São Paulo, for example, people are more closed, but when you start, if you come on,

a galera já se abre e aí você já consegue ficar mais amigo. Você vai no Rio de Janeiro, eu, por exemplo, sou flamenguista, eu vou muito pro Rio de Janeiro, the crowd opens up and then you can become more friends. You go to Rio de Janeiro, for example, I'm a Flamengo fan, I go to Rio de Janeiro a lot,

que eu vou ver jogo. Na hora que chega lá, que a pessoa ainda fala que é mineira, aí o pessoal gosta mesmo, porque aí já fala: pô, mineiro que and I'm going to see a game. By the time I get there, and say I'm from Minas, then people really like it, because then they say: man, soweone from Minas who

curte flamengo, que gosta de vir ver jogo, é bem legal isso, acho que nesse ponto não acho irritante, não. likes Flamengo, who likes to come see the game, that's really cool, I don't think at this point I find it irritating, no.

Eu acho que não, acho que o paraense assim, ele é uma pessoa, como posso dizer, acho que não vou usar a palavra correta, mas como se fosse atirado, assim... I don't think so, I think the people from Pará are like that, they are people, how can I say, I don't think I'll use the correct word, but as if they were outgoing, like...

Sabe, tipo, chega chegando, fala mesmo o que tem que falar, e as pessoas gostam, né, dessa liberdade assim de você chegar You know, like, they are very loud, say what they want to talk, and people like it, right, this freedom, so you can

usar o seu sotaque e as gírias do Pará, sem medo, sabe, de ser julgado por outra pessoa de uma outra região do país. use your accent and Pará slang, without fear, you know, of being judged by someone else from another region of the country.

Não, não acho que seja irritante. É que eu acho que as pessoas, elas têm uma intenção boa, a maioria delas, No, I don't think it's annoying. It's just that I think people, they have a good intention, most of them,

mas elas acabam caindo num estereótipo muito forçado, de que porque... é uma coisa que eu vejo, tá? but they end up falling into a very forced stereotype, that because... it's something I see, okay?

A gente tem muitos comediantes que são do Nordeste, né, muitos que vêm do Ceará, e tal. E, por conta disso, as pessoas acabam já fazendo uma ligação We have many comedians who are from the Northeast, right, many who come from Ceará, and such. And, because of that, people end up making up their mind

de que todo nordestino é engraçado... Sim, nós somos um povo de bom humor, de fato, mas isso é muito de cada pessoa. that every northeastern person is funny... Yes, we are a people of good humor, in fact, but that is a lot for each person.

O que eu não gosto, geralmente, é que as pessoas tentam... colocam no bolo a questão do baiano preguiçoso, que eu não gosto, What I generally don't like is that people try to... put on the cake the lazy Bahian issue, that I don't like,

jamais, desse tipo de estereótipo, de que a gente vive na praia, que a gente não trabalha, porque a gente vive na praia, ever, this kind of stereotype, that we live on the beach, that we don't work , because we live on the beach,

tipo assim, a gente trabalha como qualquer pessoa, né, então isso é uma coisa que me irrita, é pressupor que a gente não leva uma vida séria like, we work like anyone else, right, so this is something that irritates me, it's assuming that we don't lead a serious life

porque a gente tem uma praia urbana, por exemplo, né? Quando eu percebo que a pessoa fala nessa entonação, né, because we have an urban beach, for example, right? When I realize that the person speaks in this intonation, right,

com essa relação, né, de preguiça ou de falta de vontade, de fato me incomoda um pouco. with this idea, right, of laziness or lack of will, it actually bothers me a little.

Sim, todo mundo acha que carioca é malandro, que carioca vai ganhar vantagem, e não é assim, né? Yes, everyone thinks that a carioca is a rogue, that a carioca will gain an advantage, and it's not like that, right?

O pessoal também acha que o carioca tá sempre disposto pra uma festa, que todo carioca sabe sambar, que todo carioca sabe dançar funk... People also think that cariocas are always up for a party, that every carioca knows the samba, that every carioca knows how to dance funk...

Não é assim, gente, assim, cada um tem sua tribo lá no Rio de Janeiro, mas eu não gosto da forma como acham que todos nós somos iguais... It's not like that, guys, everyone has their own tribe in Rio de Janeiro, but I I don't like the way they think we're all the same...

Não somos iguais, somos diversos. We're not the same, we're different.

Nós não somos preguiçosos, nós só sabemos viver. E viver muito bem. We are not lazy, we just know how to live. And live very well.

A gente tem a distração, a gente tem o trabalho, a gente tem tudo. Eu morava a uma quadra da praia, então para eu ir e vir do trabalho, eu passava pela orla. We have the distraction, we have the work, we have everything. I used to live a block away from the beach, so to get to and from work, I used to pass by the waterfront.

Então, isso não faz de mim mais ou menos preguiçoso. So, that doesn't make me more or less lazy.

Com certeza, porque é muito essa visão assim, de que o gaúcho é estúpido, de que o gaúcho é esnobe, de que o gaúcho é isso, é aquilo. Definitely, because there is a lot of this view, that the gaucho is stupid, that the gaucho is snobbish, that the gaucho is this, is that.

Então, eu acho que é uma visão... pessoalmente, comigo, nunca aconteceu de alguém vir me dizer, ah... ou me destratar por ser gaúcha, né. So, I think it's a vision... personally, with me, it never happened that someone came and told me, ah... or abused me for being from Rio Grande do Sul, right.

Mas eu sei que existe essa visão de que o gaúcho é muito... é muito egocêntrico, talvez seja a palavra, né? But I know that there is this view that the gaucho is very... very egocentric, maybe that's the word, right?

E o que me deixa feliz é que, normalmente, quando eu encontro com pessoas que em algum momento pensaram assim, elas me dizem que eu consegui fazer And what makes me happy is that, normally, when I meet people who at some point thought that way, they tell me that I managed to make

elas mudarem a perspectiva que tinam do Rio Grande do Sul. them change their perspective on Rio Grande do Sul.

Talvez seja, talvez seja um pouco irritante... porque... porque as pessoas acham que o curitibano, ele só sabe falar leite quente, entendeu? Maybe it is, maybe it's a little irritating... because... because people think that Curitibano, he only knows how to speak hot milk, understand?

Acho que teve um cara que foi entrevistado em algum jornal do Brasil que falou "leite quente, leite quente, dor de dente"... I think there was a guy who was interviewed in a newspaper in Brazil who said "hot milk, hot milk, toothache"...

Aí todo mundo acha que nóis fala assim, mas não é bem assim. Then everyone thinks we talk like that, but it's not quite like that.

A gente fala certo, como eu falei, mas irrita um pouquinho porque as pessoas tentam imitar e às vezes não conhecem muito. We say it right, as I said, but it irritates a little because people try to imitate and sometimes they don't know much.

Mas, basicamente irrita um pouco, irrita um pouco, sim. Não muito como tá escrito aqui, mas irrita um pouco, sim. But basically annoys a little, annoys a little, yeah. Not much as written here, but it does irritate a little.